Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

África do Sul envia exército para conter protestos pró-Zuma

Prisão do ex-presidente na última semana gerou saques e destruição em algumas das principais cidades do país

Por Da Redação 12 jul 2021, 17h58

A África do Sul enviou soldados nesta segunda-feira, 12,  para reprimir a violência que eclodiu após a prisão do ex-presidente Jacob Zuma, depois de dias de rebeliões que deixaram pelo menos seis mortos.

A polícia disse que os distúrbios se intensificaram e 219 pessoas foram presas enquanto o polêmico ex-líder contestava sua pena de prisão de 15 meses no tribunal superior do país.

Os protestos esporádicos pró-Zuma que eclodiram quando ele se entregou na semana passada rapidamente se transformaram em saques e incêndios criminosos.

Criminosos oportunistas parecem estar se aproveitando da raiva que alguns sentem sobre a prisão de Zuma para roubar e causar destruição, disse a polícia.

Qualquer confronto com soldados corre o risco de alimentar as alegações de Zuma e seus apoiadores de que são vítimas de uma repressão de motivação política de seu sucessor Ramaphosa.

Zuma, de 79 anos, foi condenado no final do mês passado por desafiar uma ordem do tribunal constitucional para depor em um inquérito que investigava corrupção de alto nível durante seus nove anos no cargo, que ocupou até 2018. 

A decisão de prendê-lo resultou de procedimentos legais vistos como um teste à capacidade da África do Sul pós-apartheid de fazer cumprir o Estado de Direito, inclusive contra políticos poderosos.

Continua após a publicidade

Em uma audiência virtual nesta segunda-feira, o advogado de Zuma pediu ao tribunal constitucional que rescindisse sua pena de prisão, citando uma regra de que os julgamentos podem ser reconsiderados se feitos na ausência da pessoa afetada ou contendo um erro de patente. Mas especialistas jurídicos dizem que as chances de sucesso de Zuma são mínimas.

Na manhã de segunda-feira, os corpos de quatro pessoas foram encontrados – pelo menos duas com ferimentos à bala. Duas mortes aconteceram em KwaZulu-Natal, e todas as seis estavam sendo investigadas. 

Ramaphosa disse no domingo que não havia justificativa para a violência e que estava prejudicando os esforços para reconstruir a economia após o Covid-19.

O Congresso Nacional Africano (ANC), partido do governo, disse que os mais pobres seriam afetados com a destruição, uma vez que os serviços públicos essenciais foram interrompidos e várias pequenas empresas destruídas.

A prisão de Zuma marca uma queda significativa de estatura para uma figura importante no ANC.

Ele já foi preso pelos governantes da minoria branca da África do Sul antes de 1994 por seus esforços para tornar todos os cidadãos iguais perante a lei, mas para muitos sua reputação agora está manchada após uma série de escândalos de corrupção e corrupção.

O inquérito de corrupção com o qual Zuma se recusou a cooperar está examinando alegações de que ele permitiu que três empresários saqueassem recursos do estado e vendessem influência sobre a política governamental. 

Zuma também enfrenta um caso de corrupção relacionado a um negócio de armas de 2 bilhões de dólares em 1999, quando era vice-presidente. Ele nega as acusações nesse caso. 

Continua após a publicidade
Publicidade