Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Acusado de atentado em Boston participa de audiência

Dzhokhar Tsarnaev, acusado de matar 3 pessoas, pode pegar pena de morte

Por Da Redação 10 jul 2013, 10h26

O acusado pelo atentado a bomba na Maratona de Boston, Dzhokhar Tsarnaev, deve comparecer pela primeira vez a uma audiência nesta quarta-feira, em um julgamento que pode resultar na pena de morte. Em abril, ele já havia sido indiciado por utilizar armas de destruição em massa, em um processo civil. Se condenado, ele pode ser condenado à prisão perpétua ou à pena de morte.

Leia também:

Leia também: “Está tudo bem”, diz terrorista à mãe

O jovem, de 19 anos e origem chechena, foi acusado na esfera federal no mês passado de matar três pessoas ao detonar bombas de fabricação caseira, plantadas por ele e seu irmão mais velho no meio da multidão no dia 15 de abril, e de matar um policial que fazia segurança em uma universidade. O irmão dele de 26 anos, Tamerlan Tsarnaev, morreu em tiroteio com a polícia em Watertown, subúrbio de Boston, durante operação de busca pelo atentado.

Tsarnaev enfrenta 30 acusações na esfera federal relacionadas às explosões de 15 de abril – e também deve ser processado no âmbito estadual. Dessas acusações, 19 delas podem resultar em pena de morte se ele for considerado culpado. O ataque matou três pessoas e deixou mais de 260 feridos. A quarta morte considerada no processo é a de um policial atingido na troca de tiros com Dzhokhar e seu irmão mais velho, Tamerlan, de 26 anos, que morreu.

Dzhokhar é natural da Chechênia e conseguiu a cidadania americana em 11 de setembro de 2012. Foi capturado quatro dias depois do atentado a bomba, escondido em um barco no quintal de uma casa em Watertown, na região metropolitana de Boston. Em uma mensagem deixada no barco, escreveu: “Eu não gosto de matar pessoas inocentes” e “Quando se ataca um muçulmano, todos os muçulmanos são atacados”. A investigadores, disse que ele e o irmão agiram movidos pela fé e em protesto contra as guerras no Iraque e no Afeganistão.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade