Acnur chega a região tomada por rebeldes no norte da Síria

Em Azaz, havia cerca de 45 mil pessoas vivendo em condições 'abomináveis'

Por Da Redação - 1 fev 2013, 11h06

A agência de refugiados da Organização das Nações Unidas (Acnur) afirmou nesta sexta-feira que alcançou pela primeira vez a região de Azaz, tomada pela oposição, no norte da Síria, onde encontrou cerca de 45.000 pessoas desalojadas vivendo em condições “abomináveis” em acampamentos improvisados.

Leia também:

Leia também: Países doadores prometem ajuda de US$ 1,5 bilhão à Síria

Entenda o caso

Publicidade
  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

“Esta é uma área que nós não havíamos conseguido alcançar fisicamente desde o início do conflito”, disse o diretor da Acnur para o Oriente Médio e Norte da África, Yacoub El Hillo, em Genebra.

Azaz está localizada no lado oposto ao acampamento Kilis, do lado turco, que abriga cerca de 10.000 refugiados sírios que cruzaram aquela fronteira, de acordo com a Acnur. “Nesse lado, são acampamentos improvisados em péssimas condições. Portanto, esperamos que este seja o primeiro de muitos, muitos comboios que vamos operar”, disse El Hillo.

Acesso – O governo sírio não permite que agências da ONU entrem em áreas controladas por rebeldes do outro lado de suas fronteiras. No entanto, agências de ajuda humanitária, incluindo o grupo Médicos Sem Fronteiras, têm estado ativas na região de Azaz, onde as temperaturas estão agora abaixo de zero, disse El Hillo.

Publicidade

“Eles querem que nós continuemos, não poderia ter acontecido sem o governo sírio. Para os aviões pousarem perto de Latakia, tivemos que conseguir autorizações de pouso e também para que os caminhões tivessem acesso”, disse El Hillo.

(Com agência Reuters)

Publicidade