Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Acidente de trem na Índia deixa ao menos 31 mortos

Além das vítimas fatais, mais de 50 pessoas ficaram feridas após o descarrilamento de dois vagões de um trem nas proximidades da cidade de Banchrawa, no norte do país

O descarrilamento de dois vagões de um trem de passageiros deixou pelo menos 31 pessoas mortas e 50 feridas no Estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, nesta sexta-feira. O acidente aconteceu às 9h30 do horário local, ocasionado “por uma falha nos freios”, disse Chand Banu Verma, porta-voz da polícia de Banchrawa, cidade próxima do local do desastre.

A locomotiva e dois vagões da Janta Express saíram dos trilhos após o trem ultrapassar uma das paradas que estavam no roteiro. Um dos carros, da terceira classe, conhecido como “vagão geral” (o setor mais barato), ficou totalmente deformado. Se um dos compartimentos não estivesse vazio, como informaram funcionários à rede televisão local NDTV, o estrago teria sido muito maior. Policiais, guardas da ferrovia e moradores da região trabalharam para resgatar os passageiros presos nos destroços. Segundo informações mais recentes fornecidas pelo oficial Ram Murath Yadav, os 31 corpos já haviam sido retirados do local do acidente. A companhia estatal Northern Railway ordenou uma investigação para determinar as causas do descarrilamento, já que o trem não efetuou a parada prevista e os freios de emergência não evitaram o descarrilamento. A empresa enviou um trem de reposição desde a capital do Estado, Lucknow.

Leia também:

Cristãos protestam na Índia contra estupro de freira septuagenária

Índia proíbe exibição de documentário sobre estupro coletivo

O ministro indiano de Ferrovias, Suresh Prabhu, confirmou o início da investigação através sua conta oficial no Twitter e afirmou que é necessário “modernizar” infraestruturas “abaladas e envelhecidas” para melhorar a segurança dos trens. Prabhu anunciou em fevereiro no parlamento um investimento sem precedentes de 8,5 trilhões de rúpias (411 bilhões de reais) no setor ferroviário durante os próximos cinco anos, após declarar que a escassez de recursos “levou à deterioração” dos trens na Índia.

A rede ferroviária indiana, uma das maiores do mundo, tem graves deficiências de segurança, mas continua sendo o principal meio de transporte para percorrer grandes distâncias no país, apesar da concorrência das companhias aéreas. O acidente em Banchrawa é o mais recente na envelhecida infraestrutura da Índia. Narendra Modi, primeiro-ministro do país, ao assumir o cargo no ano passado, disse que cuidar das ferrovias seria uma de suas prioridades.

A Índia opera 9.000 trens de passageiros e transporta cerca de 18 milhões de pessoas todos os dias. Houve inúmeros acidentes ferroviários nos últimos anos, matando centenas de pessoas. Em dezembro, 26 pessoas morreram em um incêndio que tomou conta de uma composição do Nanded-Bangalore Express enquanto ele estava viajando pelo sul do Estado de Andhra Pradesh. Em agosto, 28 pessoas foram mortas após serem atingidas por um trem expresso enquanto tentavam fazer uma travessia em um local proibido para pedestres, no Estado de Bihar.

(Da redação)