Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A um mês do início dos Jogos Olímpicos, Pequim inicia bolha contra a Covid

Milhares de funcionários ficarão isolados nos circuitos de proteção

Por Nathalie Hanna Atualizado em 4 jan 2022, 18h10 - Publicado em 4 jan 2022, 18h00

A exatamente um mês dos Jogos Olímpicos de Inverno, a cidade de Pequim iniciou a “bolha” de zero contaminação de Covid-19 para evitar surtos da doença durante o evento.

A partir desta terça-feira (4), milhares de funcionários – voluntários, cozinheiros, motoristas e faxineiros – ficarão isolados no chamado “circuito fechado”, sem acesso físico com o mundo exterior. 

A China seguirá com abordagem restrita para limitar o impacto da epidemia nos Jogos, que  ocorrerão de 4 a 20 de fevereiro, e nas subsequentes Paralimpíadas.

Desde a eclosão do primeiro caso de coronavírus, em 2019, a China vem adotando uma estratégia de tolerância zero para infecções.

A imprensa internacional e cerca de 3.000 atletas devem começar a chegar à capital chinesa nas próximas semanas, e permanecerão na bolha desde o desembarque até a saída do país.

Continua após a publicidade

Para entrar na zona de segurança, é necessário que a pessoa esteja totalmente vacinada ou enfrentar uma quarentena de 21 dias ao entrar na China. Todos serão testados diariamente e o uso de máscaras é obrigatório.

Os torcedores não farão parte do “circuito fechado” e os organizadores terão que garantir que eles não se misturem com ninguém dentro da bolha. 

O chefe do Departamento de Imprensa do Comitê Organizador dos Jogos, Zhao Weidong, disse recentemente à AFP que Pequim está “totalmente preparada”. 

“Hotéis, transporte, hospedagem, assim como nossos projetos Olímpicos no âmbito científico e tecnológico estão prontos”, acrescentou Zhao.

Na última semana de 2021, a China registrou a maior contagem de casos de Covid-19 para um período de sete dias desde a primeira onda da pandemia.

Continua após a publicidade

A média diária havia batido os 200 casos. As autoridades querem evitar que qualquer surto da variante Ômicron se espalhe pelo país e pediram para que os chineses também entrem em quarentena ao deixar a bolha para voltar para casa. 

Entretanto, a pandemia não é o único obstáculo que os organizadores enfrentam.

Alguns governos ocidentais, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, anunciaram boicotes diplomáticos em protesto contra o tratamento dado aos uigures – um povo de origem turcomena que vive na Ásia Central, principalmente na província chinesa de Xinjiang.

A embaixada chinesa em Washington descreveu o boicote como “manipulação política”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.