Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A saúde mental de Trump preocupa parte dos americanos

Repetidos ataques contra aliados e desafetos, tuítes raivosos e atitudes instáveis levantam suspeitas sobre sanidade mental do presidente dos Estados Unidos

Com uma frequência incômoda, Donald Trump fala ou age de forma insana. Ele fez Washington estremecer em maio, ao demitir James Comey da chefia do FBI, a polícia federal, enquanto a agência investigava elos da Rússia com sua equipe de campanha. No mês seguinte, chamou uma apresentadora de TV de “louca de baixo Q.I.” e disse que um procedimento estético a tinha feito “sangrar muito” no Ano-Novo. Já esculachou vários de seus colegas republicanos do Congresso ao mesmo tempo que fazia amizades com rivais democratas. Apoiou uma proposta de reforma da saúde feita por seu partido para, pouco depois, classificá-la de “malvada”. E, mesmo mergulhado em delicado imbróglio nuclear com a Coreia do Norte, apelidou o ditador Kim Jong-un de “o homenzinho do foguete”. Esse perfil instável e divisionista do presidente americano desperta ódios e paixões. Ódios, paixões — e dúvidas sobre o estado de sua saúde mental.

Há meses críticos de Trump flertam com a ideia de afastá-lo da Casa Branca sob a alegação de que ele tem uma série de distúrbios mentais que o tornam incapaz de exercer adequadamente suas funções. Tal entendimento chegou a inspirar o movimento Dever de Alertar, formado por profissionais da saúde que lançaram um abaixo-assinado on-line já endossado por 67 000 pessoas.

A preocupação com a saúde mental do presidente também foi exposta em um livro lançado duas semanas atrás nos Estados Unidos, The Dangerous Case of Donald Trump (O Perigoso Caso de Donald Trump), em que 27 psiquiatras, psicólogos e outros especialistas no assunto alertam para comportamentos que podem indicar transtornos. São analisados diferentes graus de narcisismo e suas potenciais consequências sobre um líder tão poderoso. Também aparecem a dificuldade de Trump em confiar em outras pessoas, elementos de sociopatia e hedonismo extremo.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Se Um Marmanjo De 40 Anos,
    De Aniversário Ganhar Como
    Presente A Virgindade De Uma
    Ninfetinha De 13 Anos…
    Quantos Presentes Iguais Teve
    Em Aniversários Anteriores ????

    Curtir

  2. Deixe-me Dar-lhes Um Número Gigantesco:
    5 Trilhões, 221 Bilhões E 780 Milhões US$
    Foi O Salto Da Riqueza Americana Após
    A Eleição Do Presidente Donald Trump…

    Curtir

  3. VERDE e AMARELO

    Trump é o melhor! é patriota! cristão! não é traidor da pátria!

    Curtir

  4. Marcos Duque

    É incrível como diante de tantos distúrbios ainda encontramos pseudo-gente defendendo uma bomba atômica “chiando”. FHC começou a colocar o Brasil economicamente nos trilhos, surgiu o Governo Lula e aumentou alguns número, seguido de um bando de analfabetos que excluiu o primeiro do mérito. Agora, vemos analfabetos semelhantes repetindo a ignorância de excluir o antecessor, verdadeiro responsável por ter tirado os EUA da pior recessão desde 1929. É demais, para mim! E onde já se viu chamar de “cristão” alguém que desconhece o respeito ao próximo e à verdade? Jesus!

    Curtir

  5. Luiz Carlos Toledo

    Há 30 anos, quando Trump nem pensava em política, eu achava ele maluco, pelo exibicionismo, as grandes confusões que aprontava e as constantes mentiras. Na época, diziam que ele poderia ter um tumor no cérebro. Quando os americanos o elegeram, pensei que estava enganado. Mas depois, vários psiquiatras americanos o declararam insano. Vários líderes do Partido Republicano tiraram o apoio e disseram que ele não tinha estabilidade mental para ser Presidente. Agora vem o ex-Presidente George Bush e insinua a mesma coisa. Vai ver o Kim da Coréia do Norte é mentalmente são também eu é que sou muito desconfiado.

    Curtir