Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘A reação da polícia aos distúrbios foi lenta’, critica Cameron

Em reunião emergencial do Parlamento, premiê diz que ataques são criminosos

“Criminalidade pura e simples.” É assim que o primeiro-ministro britânico definiu a onda de vandalismo que se instaurou na Grã-Bretanha desde sábado. Por isso, David Cameron acredita que a polícia demorou para responder à série de saques e depredações por Londres e cidades próximas. “A polícia foi muito lenta para reagir aos tumultos e errou ao tratá-los como questão pública e não como crimes”, destacou ele, na reunião extraordinária do Parlamento na manhã desta quinta-feira.

Entenda o caso

  1. • No dia 4 de agosto, um homem negro de 29 anos morreu após ser baleado por policiais em Londres. A polícia diz que estava tentando prender Mark Duggan quando ele reagiu, mas há versões que desmentem que a vítima estivesse armada
  2. • Dois dias depois, 120 pessoas se reuniram em uma marcha para protestar contra a morte de Duggan e pedir justiça. Porém, duas horas depois, gangues começaram a atacar policiais e depredar prédios, carros e bancos da cidade
  3. • Desde então, a onda de vandalismo se espalhou por diversos bairros de Londres e chegou até a outras cidades britânicas, com convocações feitas por meio de redes sociais na internet e mensagens de celular

Leia mais no tema ‘Vandalismo em Londres’

Cameron também criticou o número de agentes colocados nas ruas para conter a violência que, segundo ele, estava muito aquém do necessário. Aumentar esse contingente foi a primeira medida tomada pelo premiê ao interromper suas férias de verão, essa semana, e retornar ao país em meio ao caos. Na noite de quarta-feira, ele triplicou o número de policiais, de cerca de 5.000 para mais de 16.000. E o resultado já pode ser observado nesta madrugada, quando nenhum caso grave foi registrado.

O primeiro-ministro reiterou que a polícia fará “todo o necessário” para restaurar por completo a ordem no país e os tribunais continuarão abertos e prontos para processar todos os envolvidos nos distúrbios. Mais de 1.500 prisões foram efetuadas desde sábado, 888 delas somente na capital britânica. “Os distúrbios não eram por política nem por protesto, eram para roubar”, enfatizou o premiê.

Compensações – Cameron ainda anunciou uma ajuda de custo do governo para todos os atingidos pelos saques e depredações. Cerca de 200 milhões de libras (mais de 520 milhões de reais) devem ser investidos na recuperação. Cerca de 20 milhões de libras (mais de 50 milhões de reais) serão destinados de imediato para a restauração de ruas e estabelecimentos comerciais, para incentivar o retorno de clientes às áreas mais afetadas. E mais de 10 milhões de libras (26 milhões de reais) cobrirão custos emergenciais para restaurar a segurança e garantir a limpeza desses locais.

No vídeo abaixo, confira o cenário de destruição no comércio britânico:

O Parlamento britânico também pediu uma investigação sobre as gangues que agem no país que, segundo o premiê, estão por trás do vandalismo dos últimos dias. “Não se trata de pobreza, se trata de cultura. Deve haver mais responsabilidade. No cerne do problema estão as gangues”, declarou ele. Cameron disse, inclusive, que vai procurar o exemplo de cidades americanas, como Boston, para tentar encontrar a melhor maneira de lidar com esses grupos. Um relatório a respeito deve ser divulgado em outubro.