Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A pedido de opositor, Procuradoria denuncia Evo Morales por fraude

Ex-presidente Carlos Mesa disse que investigações sobre as eleições de 2019 deveriam também punir os 'mentores intelectuais' das fraudes

Por Da Redação
20 fev 2020, 11h42

O procurador-geral da Bolívia, Juan Lanchipa, anunciou na quarta-feira 19 que a Procuradoria do país abriu um processo contra o ex-presidente Evo Morales por fraude eleitoral nas eleições de outubro de 2019. A denúncia também envolve o ex-vice-presidente Álvaro García Linera e os ex-ministros Juan Ramón Quintana, Carlos Romero e Héctor Arce.

Segundo Lanchipa, a denúncia foi feita a pedido do ex-presidente Carlos Mesa que, ao longo da última semana, pedira que a Procuradoria ampliasse as investigações por crimes eleitorais contra Morales e seus aliados.

Mesa considera que a investigação contra seis membros do antigo Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) foi “inconclusiva, porque não levou em consideração os mentores intelectuais” do crime. Os crimes denunciados por Mesa são o uso de um documento falsificado e a alteração e obstrução dos processos eleitorais, bem como a ocultação de resultados.

Ficha suja?

Após renunciar à Presidência em novembro e se exilar no México e posteriormente na Argentina, o futuro político de Morales, que denuncia ser vítima de um golpe em seu país, começou a ficar incerto. Junto de representantes de seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS), o ex-presidente optou por disputar uma vaga no Senado e apontou como candidato à Presidência o ex-ministro da Economia Luis Arce.

O destino de Morales, contudo, está nas mãos do novo TSE apontado durante o governo interino de Jeanine Áñez, que também se lançou como candidata. Na quarta-feira, o MAS afirmou que o tribunal havia decidido impugnar o ex-presidente, mas o presidente do TSE, Salvador Romero, disse que haverá um pronunciamento oficial neste fim de semana sobre o caso. “Nosso compromisso é resolver esse problema no menor tempo possível”, declarou.

Continua após a publicidade

Os opositores de Morales apostam em sua impugnação pelo TSE. Segundo a lei boliviana, alguém só pode se candidatar a um cargo público se residir no país. Atualmente, o ex-presidente está exilado na Argentina por temer ser preso pelo governo interino.

Segundo a empresa de pesquisa de mercado boliviana Ciesmori, Arce encabeça a corrida eleitoral com 31,6% das intenções de voto. Mesa fica em segundo lugar, com 17,1%, seguido por Áñez, com 16,5%. O pleito está marcado para o dia 3 de maio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.