Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A melancolia do Mercosul

Em artigo, ex-ministro das finanças do Chile avalia por que Dilma Rousseff perdeu a chance de liderar um contrapeso moderado ao populismo da região

Quando os líderes do Mercosul se reuniram em Caracas no final de julho, a arrogância habitual do imperialismo encheu o ar. Assim como o inconfundível cheiro de decomposição.

O Mercosul geralmente é descrito como um grupo comercial; na verdade, foi um arranjo político desde o início. O Brasil, a potência regional, sempre é visto como um contrapeso aos Estados Unidos em assuntos do hemisfério. Os governos peronistas na Argentina usam o Mercosul para fazer propaganda sobre integração ao mesmo tempo em que fazem pouco ou nada para remover reais entraves ao comércio. Com a entrada da Venezuela da Hugo Chávez, em 2006, a guinada em direção ao populismo tornou-se inconfundível. Como um ministro do governo chileno no fim da última década, lembro-me da frustração ao participar de reuniões do Mercosul (o Chile é membro associado). Eles são grandes em pose e em intermináveis discursos, mas limitados em acordos importantes sobre qualquer coisa.

Na Cúpula de 2006, em Córdoba, quando Chávez e Fidel Castro duelaram sobre quem poderia fazer o discurso mais longo e mais desconexo, os ânimos ficaram exaltados. A Bolívia, também governada por um populista carismático, estava interessada em desenvolver laços mais próximos. O Equador logo seguiu o mesmo padrão. E um punhado de países menores da América Central e do Caribe caiu na linha política em troca de generosos aportes de dinheiro e petróleo venezuelanos. Naquela época, os líderes do Mercosul poderiam reivindicar a oferta de um “modelo de desenvolvimento alternativo” para a região. Não mais.

Leia mais:

Dilma defende Argentina, critica fundos de investimento e exige ‘regras claras’

No encontro em Caracas, o clima era fúnebre. O anfitrião, sucessor de Chávez, Nicolás Maduro, enfrenta uma economia em colapso e tensões dentro de seu próprio partido. Apesar dos preços relativamente altos do petróleo, a Venezuela tem um grande déficit fiscal e queda de reservas cambiais. A taxa de inflação é a mais alta da região e a economia está estagnada.

Perante a frustração popular com o agravamento das condições de vida, o governo de Maduro usou de repressão violenta para acabar com os protestos de rua. O líder da oposição Leopoldo López passou meses numa prisão militar antes de ser julgado. Instituições como a Human Rights Watch repetidamente denunciaram violações dos direitos e restrições das liberdades civis por parte do governo.

A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, chegou a Caracas na esperança de angariar apoio à sua luta contra os chamados fundos abutres que compraram títulos soberanos do seu país de forma barata e tiveram sucesso em seus processos reclamando o pagamento integral. Mas Fernández descobriu que as palavras de incentivo educadas dos seus colegas pouco importavam. A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos no mês passado de manter a decisão de um tribunal inferior contra a Argentina a colocou numa situação impraticável: pagar os credores resistentes significaria perder a credibilidade e possivelmente provocar uma onda de processos semelhantes; não pagar significaria inadimplência técnica e todos os seus custos. Ela escolheu a última opção.

Mais artigos de Andrés Velasco:

Monsieur Piketty vai à America Latina

Revisão da Política Industrial

Os 100 dias de solidão da Venezuela

O acesso a capital estrangeiro importa para Fernández porque, como Maduro, ela enfrenta uma economia paralisada e uma crescente escassez de dólar. Medidas de estabilização internas no início deste ano deram-lhe algum tempo, mas o medo de uma recessão permanece. No esforço de recuperar o acesso aos mercados de capitais, sua equipe econômica remendou a situação com os credores soberanos que formam o Clube de Paris e com a Repsol da Espanha (a antiga proprietária da nacionalizada gigante do petróleo YPF). Mas a luta com os abutres jogou o país para trás. Com uma eleição presidencial iminente em outubro de 2015, a maioria dos candidatos potenciais (mesmo aqueles do seu próprio partido) estão se distanciando rapidamente do seu estilo autoritário e legado econômico conturbado.

Na Bolívia, o presidente Evo Morales tem recorrido a manobras legais e constitucionais para garantir-se por mais um mandato. Depois de dois mandatos, Morales seria teoricamente proibido de concorrer novamente. Mas o Tribunal Constitucional da Bolívia determinou que ele pode, porque a adoção de uma nova Constituição redefiniu o país como Estado Plurinacional da Bolívia; Morales, portanto, ocupou o seu primeiro mandato como chefe de um estado diferente. Quando perguntado por que ele vai concorrer novamente, ele respondeu – em uma confissão peculiar para um líder nacionalista – que a ex-rainha Sofía da Espanha o encorajou a “terminar o trabalho.”

Leia também:

Equador: relatório adverte sobre interferência do governo no Judiciário

Governistas iniciam processo que possibilita reeleição infinita de Correa

Bolívia inverte relógios como ‘símbolo de identidade’

No Equador, igualmente, as instituições democráticas estão sob cerco. Um relatório independente relatou doze episódios sobre o governo interferindo nas decisões do tribunal. Uma controversa lei da mordaça na imprensa promulgada no ano passado já acabou com a edição impressa em de um grande jornal. De acordo com Catalina Botero, relatora especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos, “juntamente com Cuba, o Equador é o país que mais restringe a liberdade de expressão”.

A presidente do Brasil Dilma Rousseff enfrenta uma situação que é ao mesmo tempo semelhante e diferente de seus colegas do Mercosul. O Brasil não é o tipo de país onde um presidente pode manipular a Constituição ou fechar jornais em vão. Mas o mal-estar está no ar em Brasília (deixando de lado a surra na Copa do Mundo dada pela Alemanha).

A rápida recuperação do Brasil a partir da crise financeira de 2008 encantou os mercados financeiros internacionais, mas o fraco crescimento desde então não concretizou a promessa do passado. Apesar de baixo desemprego, a ansiedade econômica está em ascensão – e começa a infiltrar-se na esfera política. Com Dilma Rousseff caindo nas pesquisas e seus adversários lentamente começando a subir, a eleição presidencial de outubro – antes tida como algo fechado – está aí para qualquer um.

Ausente na Cúpula de Caracas, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, culpou um resfriado e uma agenda nacional ocupada por sua impossibilidade de viajar. Complicações políticas ligadas a um possível encontro com a oposição venezuelana, ao qual Bachelet optou por não comparecer (preferindo enviar seu ministro de Relações Exteriores), provavelmente também tiveram influência.

Rousseff e Bachelet eram candidatas naturais para liderar o desenvolvimento de um contrapeso moderado ao populismo de Maduro, Fernández, Morales e Correa. Mas Rousseff, como seu antecessor, o popular Luiz Inácio Lula da Silva, escolheu não cumprir esse papel, e, em vez disso, acolheu a Venezuela. O Chile é muito pequeno para fazê-lo sozinho, e Bachelet está ocupada com cada vez mais controversas reformas tributária, educacional e constitucionais.

O presidente do Uruguai, José Mujica, fez o melhor resumo do que aconteceu em Caracas: “Emitimos uma declaração”. Em outras palavras, o Mercosul continua a ser uma irrelevante conversa fiada – e o surgimento de uma liderança regional de centro-esquerda na América Latina terá que esperar.

Andrés Velasco, ex-ministro das Finanças do Chile, é professor visitante na Universidade de Columbia.

(Tradução: Roseli Honório)

© Project Syndicate, 2014