Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“A guerra prova a irracionalidade humana”, diz voluntário na Ucrânia

O brasileiro Alysson Vitali, de 42 anos, ajuda a resgatar refugiados

Por Laryssa Borges Atualizado em 24 Maio 2022, 18h07 - Publicado em 22 Maio 2022, 08h00
Alysson Vitali -
Alysson Vitali – ./Arquivo pessoal

“Estava na casa do meu pai no Espírito Santo quando vi o primeiro dia da guerra na Ucrânia. Como gerente de eventos esportivos, já havia trabalhado com esporte comunitário em situações de pós-conflito no Líbano, Palestina e Filipinas. Eu não tinha nenhuma relação prévia com os ucranianos, não conhecia ninguém lá, mas as imagens daquelas famílias desnorteadas, abandonado suas casas às pressas, fugindo da guerra que estava apenas começando, me tocaram. Precisava ajudar aquelas pessoas de alguma forma. Peguei algumas economias e comprei uma passagem para Varsóvia, sem saber direito o que ia fazer. Lá, atravessei a fronteira a pé. Um policial me disse que não era uma decisão muito inteligente. Não me importei e segui em frente. Descobri que o policial tinha razão, mas o que vi me impressionou ainda mais: mulheres em fuga que deixaram maridos e filhos homens para trás, idosos e crianças que não entendiam direito o que estava acontecendo. O frio era absurdo e muitos não conseguiam chegar à fronteira. Vi que poderia ajudar.

Retirar refugiados não é uma operação fácil: eu passo quase um dia inteiro na fila para encher o tanque do carro e gasto cerca de dezessete horas para entrar na Ucrânia com mantimentos e medicamentos doados por entidades filantrópicas e voltar para a Polônia com o carro cheio de refugiados. Até aparelho de raio-X para um hospital em uma pequena vila ucraniana eu levei. Desde que cheguei, em março, já estive em 22 cidades e retirei 78 pessoas no carro que aluguei. Em uma de nossas viagens, éramos dez pessoas no mesmo carro, sendo cinco crianças. Não falo ucraniano nem russo. Faço tudo com um aplicativo de celular que traduz minhas conversas. Em postos de controle não é permitido usar telefone e preciso me virar. Certa vez chorei quando um pai entregou sua esposa e os três filhos e voltou para lutar pela Ucrânia. Em outra ocasião, em Lviv, um homem deixou a filha e o tradutor do celular registrou o que ele disse: ‘Não conheço vocês, não sei quem vocês são, mas preciso confiar a vida da minha filha a vocês’. Tudo parece um filme, só que é de verdade.

Já tive um burnout e voltei temporariamente ao Brasil. Recuperado, retornei à Ucrânia para continuar o trabalho. Não me vejo como herói, embora saiba que talvez minha ajuda tenha sido a única oportunidade de muitas pessoas de escaparem dos efeitos da guerra. Testemunhei o rastro de destruição deixado pelos russos. Estive em Bucha dias depois do massacre que deixou corpos de civis abandonados pelas ruas. As cápsulas das balas ainda estavam espalhadas pelo chão. Andando com uma câmera acoplada no carro, gravamos, eu e um amigo, imagens da destruição: carros explodidos, motoristas alvejados por tiros enquanto trafegavam, inclusive veículos de ajuda humanitária. Senti o cheiro da morte. Vi a guerra em seu estado mais puro, cruel e covarde.

Os relatos são estarrecedores. Idosos que não conseguiram fugir descrevem estupros de mulheres de suas próprias famílias. A guerra prova a irracionalidade humana. Vi corpos de pessoas que morreram sem ter culpa alguma pelo conflito. Crianças que tiveram casas saqueadas um dia me perguntaram se eu não podia dar a elas um brinquedo. Dias depois, na rua em que os corpos estavam espalhados, eu e cinco crianças andamos de skate juntos. Imagine a brutalidade psicológica com que os sobreviventes são obrigados a conviver. No trajeto até a fronteira, poderíamos ter sido atingidos por bombas despejadas nas estradas. Tentamos não pensar nisso. Para mim, não importa a questão política por trás do conflito. Se um russo bater hoje à minha porta, vou socorrê-lo. Meu objetivo é ajudar seres humanos.”

Alysson Vitali em depoimento dado a Laryssa Borges

Publicado em VEJA de 25 de maio de 2022, edição nº 2790

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)