Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

A China “não está com medo de começar uma guerra com os EUA”, diz jornal estatal

Enquanto o governo é comedido em suas respostas, a imprensa oficial chinesa joga para o público e pede por ações concretas de Pequim contra os Estados Unidos

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h21 - Publicado em 28 out 2015, 14h30

O jornal chinês estatal Global Times, o braço mais popularesco das comunicações oficiais do país, afirmou nessa quarta-feira que a China não está com medo de iniciar uma guerra com os Estrados Unidos, após o lança-mísseis americano USS Lassen navegar a 12 milhas náuticas das pequenas ilhas artificiais que Pequim está construindo no arquipélago das Spratly. A área é reivindicada por vários países, incluindo as Filipinas, aliado de Washington.

A resposta da mídia estatal veio após o governo americano anunciar que enviaria mais navios para a região. “Faremos de novo. Navegamos nas águas internacionais quando e onde decidirmos”, disse uma fonte da Marinha dos Estados Unidos à agência France-Presse. A movimentação americana também despertou retaliações de Pequim, que convocou o embaixador americano no país, Max Baucus, e denunciou a aproximação do navio como uma ameaça “ilegal” à sua soberania.

Leia também:

Jornal estatal chinês diz que guerra entre China e EUA pode ser inevitável

China inaugura parque com temática comunista

Ao lado do presidente chinês, Obama cobra mais liberdades civis na China

“Diante do assédio dos EUA, Pequim deve lidar com muito tato com Washington e se preparar para o pior”, afirmou o jornal nacionalista Global Times em seu editorial. “Isto pode convencer a Casa Branca de que a China, apesar de sua falta de vontade, não tem medo de iniciar uma guerra com os EUA na região e está determinada a proteger seus interesses nacionais e a sua dignidade”.

Continua após a publicidade

O jornal China Daily, também controlado pelo governo chinês, afirmou que os EUA estão “criando problemas sem motivo”. “O navio de guerra dos EUA mostra exatamente quem é que está promovendo a militarização do Mar da China Meridional,” dizia seu editorial. O Diário do Exército da Libertação do Povo, o jornal oficial do Exército chinês, também se posicionou, afirmando que “os Estados Unidos tem o objetivo de semear a discórdia na região, como fez no Oriente Médio”. Segundo o diário, as ações americanas “agravam a segurança regional e prejudicam os interesses regionais e nacionais, expondo o seu lado irracional, arrogante e rude”.

Enquanto a reação dos diferentes meios de imprensa oficiais é aguda e incisiva, mais voltada para satisfazer o público interno, o governo chinês tem sido mais cauteloso em suas respostas oficiais. Pequim se limitou a declarações firmes em vez de ações concretas no Mar da China Meridional. O Ministério das Relações Exteriores chinês afirmou nesta quarta em seu site que o vice-ministro executivo Zhang Yesui declarou ao embaixador Max Baucus que os EUA agiram em desafio às repetidas objeções chinesas e que haviam ameaçado a soberania e a segurança da China. Sem dar detalhes, Zhang afirmou que a manobra “provocativa” da terça-feira também colocou pessoas e a infraestrutura das ilhas em risco. O Departamento do Estado não quis confirmar o encontro do embaixador nem comentar o assunto.

Leia mais:

EUA avistam artilharia chinesa em ilha artificial na Ásia

Não estamos em ‘House of Cards’, diz presidente chinês

A indisponibilidade de Pequim em enfrentar os Estados Unidos tem gerado muita frustração para cidadãos nas redes de mídia social do país. “A China pode se conformar em reclamar?”, questiona um usuário da rede social Weibo, antes de propor uma medida radical: “Vamos destruir qualquer navio americano que se aproximar!”. “Os americanos estão às nossas portas. Não serve de nada voltar a denunciá-los”, lamenta outro internauta.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês