Clique e assine a partir de 9,90/mês

1º dia: Trump tem reuniões com empresários e sindicatos

Trump também conversou com primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu e combinou uma visita à Casa Branca no início de fevereiro

Por Da redação - 23 jan 2017, 10h57

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem uma agenda recheada de reuniões nesta segunda-feira, seu primeiro dia na Casa Branca. O republicano toma café da manhã com líderes empresariais na primeira parte do dia, depois se reúne com líderes sindicais e trabalhadores durante a tarde. À noite, ele recebe congressistas para discutir as mudanças no serviço de saúde pública norte-americano, entre eles o presidente da Câmara, Paul Ryan.

Os encontros sugerem que o novo presidente quer se manter aberto a sugestões e acontecem após um final de semana tumultuado, em que ele foi alvo de protestos massivos em Washington e outras cidades do país e voltou a criticar a imprensa por relatar corretamente o número de presentes em sua cerimônia de posse.

Trump também conversou com primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu e combinou uma visita à Casa Branca no início de fevereiro. O premiê israelense afirmou que deseja forjar uma “visão comum” com o republicano, que pode incluir o apoio a novos assentamentos e uma política mais dura contra o Irã.

A Casa Branca também anunciou encontros para os próximos dias com os primeiros-ministros do Reino Unido e Canadá, Theresa May e Justin Trudeau, bem como o presidente do México, Enrique Pena Nieto. Um dos objetivos declarados do novo governo é iniciar a renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), bem como discutir assuntos como imigração e segurança na fronteira.

Continua após a publicidade

Reince Priebus, chefe da gabinete da Casa Branca, afirmou no domingo à “Fox News Sunday” que o presidente vai gastar sua primeira semana no governo desfazendo parte das medidas implementadas por seu predecessor, Barack Obama, bem como assinar decretos presidenciais sobre imigração e comércio. Alguns deles podem acontecer já nesta semana.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade