Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Do direito de andar de bicicleta

Houve um tempo absurdo em que estar no guidão era coisa de homem

Em 1895, um artigo científico publicado na renomada revista Scientific American propôs a questão singela: devemos permitir que mulheres andem de bicicleta? Não seria melhor, para preservá-las e zelar por sua saúde, mantê-­las afastadas do guidão? Ao final, o autor do estudo sugeria que era, sim, melhor proibir mulheres de dirigir bicicletas. O exercício físico necessário seria, de acordo com os especialistas, muito distinto daqueles com os quais as mulheres têm familiaridade — como o esforço muscular para operar, por exemplo, uma máquina de costura.

Para o cirurgião francês que assinava o artigo, o sexo feminino não estaria apto, por natureza, para conduzir bicicletas. Uma mulher não poderia realizar o que o autor chamava de “movimentos musculares violentos”. Esse é apenas um exemplo da narrativa fundacional da nossa sociedade, que sistematicamente nega à mulher possibilidades e oportunidades. “A mulher é diferente” é a versão menos agressiva dessa história. “A mulher é inferior” é a versão menos polida. Ambas as frases eram empregadas para cercear nossa liberdade de andar de bicicleta na virada do século XIX. Hoje, ambas persistem e continuam sendo parte do repertório dos que não nos querem no poder, na liderança, tomando decisões.

É fato: avançamos. Não há nenhuma empresa séria hoje que não esteja em alguma medida pensando em como incorporar noções como diversidade e inclusão em seu dia a dia. É resultado do fantástico desempenho das poucas mulheres que conseguem chegar aos postos superiores em ambientes corporativos e da força e exuberância do incansável movimento de mulheres por direitos.

Toda porta que escancaramos deve ser comemorada, mas ainda há muito que fazer rumo à igualdade. No que tange ao ambiente de trabalho, temos de seguir combativas, entendendo que os espaços de tomada de decisão estão em disputa. Uma das tarefas mais prementes é ter certeza de que departamentos de RH, direção e conselhos sejam fiéis às suas palavras e promovam de verdade diversidade e inclusão.

Diversidade no ambiente de trabalho significa aceitar, compreender e valorizar todas as experiências e trajetórias. Indivíduos de todas as cores, etnias, gêneros, idades, religiões, habilidades especiais, orientações sexuais e formações devem ter assento nas salas de reunião. E jamais devem ser diminuídos ao ocupá-lo. Inclusão, por sua vez, significa garantir que o ambiente de trabalho seja acolhedor, participativo, estimule a colaboração e o respeito.

Pensadas em conjunto, diversidade e inclusão devem ser parte da missão, das estratégias e das práticas de toda corporação. Estudos em todo o mundo pipocam e comprovam que corporações que aderem a tais noções têm melhor desempenho em virtualmente todos os aspectos imagináveis.

Conseguimos conquistar o direito de andar de bicicleta. E não foi fácil. Hoje queremos dirigir a fábrica que a produz e ganhar o mesmo que nossos pares homens que realizam função semelhante. Nada nos deteve antes. Nada nos deterá agora.

Publicado em VEJA de 24 de abril de 2019, edição nº 2631

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema deste artigo? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br