Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Volante do Flamengo depõe por envolvimento com milícia

Luiz Antônio presenteou chefe de quadrilha com veículo de 120.000 reais e é suspeito de inventar roubo para receber indenização do seguro

O jogador Luiz Antônio, do Flamengo, compareceu na tarde desta quinta-feira à sede da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) para ser ouvido pela polícia. Ele é suspeito de ter cometido o crime de estelionato e é investigado por envolvimento com uma milícia do Rio de Janeiro. De acordo com o delegado Alexandre Capote, Luiz Antônio presenteou um dos chefes da milícia com um carro de luxo, avaliado em 120.000 reais. E, em seguida, o pai do jogador, Luiz Carlos Soares, registrou queixa de roubo do mesmo veículo, para receber indenização prevista na apólice de seguro. As investigações policiais apontam para tentativa de golpe.

O falso roubo foi registrado pelo inspetor Alexandre Rocha de Antunes, conhecido como “Sérgio Preto”, que dizia ser “irmão de criação” do jogador. Antunes era um dos chefes da quadrilha.

Leia também:

Polícia procura foragidos de milícia que explorava moradores de casas populares

Operação caça milícia que age em condomínio do Minha Casa Minha Vida

No Rio, milícia dá as cartas em uma região com 26 favelas

Os advogados do Flamengo, Michel Assef e Michel Assef filho, acompanhavam o atleta. O pai do jogador também era aguardado para prestar depoimento, mas não compareceu. Ele pode ser acusado de falsa comunicação de crime.

Enquanto ocorrem as investigações, o jogador segue afastado das atividades no Flamengo, que no domingo enfrenta o Coritiba, fora de casa, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. O clube informou que só vai se pronunciar sobre o caso após a conclusão das investigações.

Crimes – A milícia teve 27 integrantes denunciados à Justiça na semana passada, por delitos como roubo, tortura e associação criminosa. A quadrilha expulsava moradores de apartamentos e extorquia dinheiro dos mutuários de seis condomínios do bairro de Campo Grande, construídos pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Havia cobranças indevidas pelo uso de serviços públicos e até com o monopólio das vendas de cestas básicas. Na lista de presos, há oito policiais militares, um bombeiro, um policial civil, um agente penitenciário e dez civis Há relatos de que moradores foram mortos porque se recusaram a pagar cobranças indevidas da milícia.

(Com Estadão Conteúdo)