Clique e assine a partir de 9,90/mês

Vizinha ouviu mulher berrando antes dos tiros de Pistorius

Depoimento complica a situação do atleta logo no primeiro dia do julgamento

Por Da Redação - 3 mar 2014, 12h27

“Não tenho palavras para explicar a ansiedade e o medo em sua voz”, disse a testemunha. “Ela gritou de forma terrível, implorando por socorro”

A primeira testemunha ouvida no julgamento de Oscar Pistorius, acusado de assassinar a modelo Reeva Steenkamp, sua namorada, no ano passado, complicou a situação do astro paralímpico. Logo na abertura dos trabalhos, nesta segunda-feira, num tribunal de Pretória, Michell Burger, vizinha do atleta, apresentou um relato que contradiz a versão do acusado, contando ter ouvido os gritos de uma mulher em pânico. Em seguida, ouviu quatro tiros – Pistorius admite ter atirado na modelo, mas garante que foi um acidente, causado pela suspeita de que alguém tinha invadido a residência. Michell mora em um prédio próximo da casa onde Pistorius vivia e disse que ela e seu marido acordaram durante a madrugada de 14 de fevereiro do ano passado, quando Pistorius matou Reeva com quatro tiros através da porta do banheiro, ao ouvir os berros que antecederam os disparos.

Leia também:

No primeiro dia de julgamento, Pistorius se diz inocente

Continua após a publicidade

TV vai transmitir parte do julgamento de Oscar Pistorius

Um ano depois, Pistorius escreve sobre morte de Reeva

Os promotores acreditam que o atleta atirou em sua namorada depois de uma briga e depois tentou montar uma farsa para esconder que teve uma acalorada discussão com ela antes dos disparos fatais. Pouco antes do depoimento de Michell Burger, Pistorius se declarou inocente no início do julgamento. O testemunho de Michell Burger pode desmontar a versão de Pistorius, já que ele sustenta que só disparou sua arma porque temia que havia um ladrão no banheiro (e achava que Reeva ainda estava na cama). “Foi muito traumático”, disse Michell Burger, em resposta às perguntas do promotor Gerrie Nel. “Era possível ouvir gritos de gelar o sangue. Não tenho palavras para explicar a ansiedade e o medo em sua voz”, disse a vizinha. “Ela gritou de forma terrível, implorando por socorro”, acrescentou a testemunha, que contou ainda ter ouvido um homem gritando por ajuda antes mesmo dos disparos.

O advogado de Pistorius, Barry Roux, abriu seu questionamento perguntando se Michell Burger achava que o atleta era um mentiroso. Ela não respondeu diretamente com um sim ou não, mas repetiu suas lembranças dos acontecimentos daquela noite. O julgamento de Pistorius está sendo acompanhado em Pretória por June Steenkamp, a mãe de Reeva, além de parentes do atleta paralímpico, como o pai Henke, o irmão Karl e a irmã Aimée. A análise do caso começou com atraso de uma hora e meia em razão de problemas de comunicação no tribunal e está previsto para durar três semanas. No total, serão 107 testemunhas, entre defesa e acusação. O sul-africano de 27 anos ganhou notoriedade ao ser o primeiro competidor paralímpico a disputar uma edição da Olimpíada. Oscar Pistorius tem oito medalhas de Jogos Paralímpicos, sendo seis de ouro.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade