Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Vila Nova joga melhor com time misto, mas Timbó marca dois e Lusa vence

Por Da Redação 12 nov 2011, 17h58

Mais uma vez, o Vila Nova resolveu desafiar a lógica e, já rebaixado, enfrentou a Portuguesa de igual para igual no Serra Dourada neste sábado. Com um time misto, recheado de jogadores promovidos das categorias de base na última semana, o time goiano acabou derrotado por 3 a 1 pela Portuguesa, que não poupou ninguém.

As caras novas do Tigre surgiram na intenção do treinador Roberto Cavalo de já montar o time para a disputa da Série C de 2012. A Lusa de Jorginho, do outro lado, já campeã brasileira e com o acesso garantido, só deixou Guilherme de fora para encarar o Vila.

Quem se destacou pelo lado do Colorado, no entanto, foi o experiente Túlio Souza, que criou duas oportunidades claras de gol e acabou empatando o jogo aos oito minutos, apenas seis depois de Leandro Silva abrir o placar para a Lusa.

O responsável pelos gols da vitória da Lusa foi Júnior Timbó, que entrou em campo aos 15 do segundo tempo e marcou aos 19 e aos 46 para fechar o marcador.

O Jogo – Com um time organizado apesar da formação inédita, o Vila Nova dominou as ações no primeiro tempo, dando muito trabalho ao goleiro Wéverton, que acabou se tornando o personagem principal, ou pelo menos o que mais apareceu nos primeiros minutos de bola rolando.

A Lusa conseguia se manter com a bola nos pés e trocava passes de lado sem tanto perigo, ao passo que o Colorado corria atrás para desarmar e ir em busca de oportunidades. A primeira clara ocorreu logo aos dez minutos, quando John Lennon roubou uma bola na intermediária e sofreu falta.

Na batida, Túlio Souza surpreendeu a todos e mandou direto para o gol, obrigando o camisa 1 da Lusa a praticar uma grande defesa e colocar a bola para escanteio.

Dois minutos depois, aos 13, ainda assustado pelo lance perigoso do Vila, a Portuguesa contragolpeou e deixou claro que um pouco de pressão poderia dar certo. Dessa vez, Ivo cruzou do lado esquerdo, rente ao chão, e Marco Antônio pegou de primeira, mas por cima do gol.

Continua após a publicidade

O veterano Túlio Souza era o jogador mais perigoso do Vila Nova e, dentre tantos garotos, se destacou no meio-campo da equipe, principalmente por conta das oportunidades criadas. Aos 31, o jogador arriscou da meia-lua e Wéverton outra vez teve que se esticar todo para defender.

Dez minutos depois, já que o jogo não era tão empolgante quanto se podia imaginar, o mesmo Túlio Souza recebeu passe de Ricardinho, tirando a defesa com o corpo e bateu à direita do gol de Wéverton, mas dessa vez pela linha de fundo.

Antes mesmo da segunda etapa, a Portuguesa já deu mostras de que estava suficientemente pressionada pelo mistão do Vila Nova e que deveria atacar para voltar para casa com os três pontos, seguindo a motivação de vencer todas as partidas da Série B até o fim.

Aos 44, Cleyton tabelou com Renato e recebeu à frente, na cara do gol. O chute foi facilmente defendido por Luiz Cetin, que cobrou abertamente o setor defensivo do Vila, que acabaria voltando fragilizado para a segunda etapa.

Com menos de dois minutos de bola rolando no segundo tempo, após escanteio cobrado por Marcelo Cordeiro, Leandro Silva subiu mais alto que toda a defesa do Vila Nova para colocar a bola no canto de Luiz Cetim e abrir o placar no Serra Dourada.

O Vila Nova era melhor e manteve a boa toada no segundo tempo, quando o jogo se tornou mais franco e aberto. Logo aos oito minutos, sem que a Portuguesa mal conseguisse comemorar o gol, Victor Ferraz levantou pela direita e Túlio Souza foi premiado com o gol de empate, de cabeça, no canto do goleiro Wéverton.

Na intenção de mudar o comportamento da Lusa, Jorginho promoveu as entradas de Raí e Junior Timbó e foi justamente com uma jogada criada pelos dois suplentes que a equipe voltou à frente do marcador. Com cruzamento do primeiro pela esquerda, Timbó subiu e marcou o segundo da equipe sobre o Vila Nova.

Ainda restava tempo para aos 46, depois de jogada individual, Júnior Timbó passar para João Neto, que voltou a servir Timbó para bater no canto de Cetim e marcar o terceiro gol da Lusa na partida.

Continua após a publicidade
Publicidade