Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vice da Indy elogia pista e brasileiros aprovam mudanças

Organização garantem asfalto liso e com boa drenagem em caso de chuva. Pilotos terão mais espaço na largada e pontos em que a velocidade será maior

Depois de três edições da Fórmula Indy com reclamações sobre as condições do circuito de rua do Anhembi, por excesso de ondulações e pela dificuldade de absorção da água da chuva, há uma boa chance de que a prova deste fim de semana finalmente tenha melhores condições de disputa para os pilotos. Foram feitas várias alterações e tratamento especial no piso, o que deve garantir uma bao dose de emoção nas ultrapassagens. O vice-presidente executivo da categoria, Greg Gruning, disse que a pista é uma das suas favoritas. “Amo esse circuito, a reta oposta é a mais rápida dos nossos circuitos de rua.” A reta da Marginal Tietê tem quase 1.500 metros e neste sábado os pilotos vão sentir as reais condições do piso, durante a primeira sessão de treinos, a partir das 8h00, com a definição do grid às 14h05. A largada será domingo, às 12h30.

Leia também:

Tony Kanaan correrá com a mão fraturada no Anhembi

Organizadores da Indy em SP prometem pista lisinha

Além de “alisar” o piso, os organizadores alargaram a área das curvas 1 e 2 e também reduziram a altura das zebras de entrada e saída de todas as 11 curvas do circuito do Anhembi. Hélio Castroneves, da Penske e líder do campeonato, elogiou as mudanças: “A zebra era muito alta, tive problemas no ano passado e bati na saída do S do Samba. Com zebras mais baixas, a pista vai ficar mais rápida e o piloto vai atacar mais nas curvas. Mas o principal será o aumento da segurança na largada e nas relargadas, pois o pessoal vai ter mais espaço, o que vai evitar acidentes.”

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Os elogios ao GP brasileiro passam da parte técnica. “Todo ano que venho, gosto do produto que recebemos e de como somos tratados. Não dá para ser melhor”, disse Gruning. Bia Figueiredo, que tem contrato com a equipe Dale Coyne para correr apenas a corrida de São Paulo e as 500 Milhas de Indianapolis, se rendeu ao clima do local. “Fui fazer uma filmagem no Sambódromo e me arrepiei ao ver o pôr do sol, com toda aquela estrutura montada. Isso não existe em lugar nenhum.”

Para Tony Kanaan, da KV, e que deve correr com fraturas na mão, a pista de São Paulo é exemplar. “Sou presidente da associação de pilotos e sempre comento que o pessoal dos Estados Unidos deveria usar o circuito de rua daqui como referência.” Não só pela estrutura como pela agilidade, Castroneves confirmou o empenho em deixar a pista melhor. “Aqui são muito ágeis para mudar aquilo que achamos ruim. Todos os circuitos de rua têm ondulações, mas podem ser melhorados.”

(Com Estadão Conteúdo)