Clique e assine com até 92% de desconto

Vettel vence o GP da Itália, Senna pontua pela primeira vez

Por Dimitar Dilkoff 11 set 2011, 15h53

O piloto alemão Sebastian Vettel (Red Bull) venceu neste domingo no circuito de Monza o GP de Fórmula 1 da Itália, o 13º da temporada, superando o britânico Jenson Button (McLaren) e espanhol Fernando Alonso (Ferrari), numa corrida na qual Bruno Senna (9º) marcou os primeiros pontos de sua carreira.

O melhor desempenho brasileiro foi de Felipe Massa, que ficou em sexto. Rubens Barrichello chegou em 12o.

Vettel, atual campeão, dominou quase totalmente a corrida e agora reforça sua liderança do mundial de pilotos com 284 pontos, 112 a mais que Alonso, que alcançou a segunda colocação do ranking mundial ao ultrapassar o outro piloto da Red Bull, o australiano Mark Webber.

Webber abandonou a prova após ter batido com Felipe Massa logo depois da largada, num incidente que deixou três pilotos de fora do Grande Prêmio.

“Agora, posso dizer que estamos numa ótima posição para conquistar o título. Pode perguntar para Fernando (Alonso), Lewis (Hamilton), Jenson (Button) ou qualquer outro piloto, tenho certeza que eles adorariam trocar de lugar comigo”, brincou o alemão.

Continua após a publicidade

Com esta oitava vitória na temporada, Vettel poderá garantir o bicampeonato matematicamente na próxima corrida, no dia 25 de setembro em Cingapura. Para isso, precisa voltar a vencer e torcer por um tropeço dos seus principais adversários.

“Só vou comemorar de verdade quando o título estiver realmente garantido, não antes. O que aconteceu no ano passado é a melhor prova de que é preciso esperar até a última corrida do ano”, avisou Vettel, que na temporada passada sagrou-se campeão na última prova, disputada em Abu Dhabi, com apenas quatro pontos de vantagem sobre Alonso no ranking de pilotos.

Neste ano, os números de Vettel são tão impressionantes que um jornalsita britânico perguntou a ele se não seria melhor se tirasse algumas folgas para deixar a competição mais interessante.

“Estou obrigado por contrato a disputar todas as corridas. Se quiser, pode tentar falar com Christian (Horner, diretor da Red Bull)”, respondeu, rindo.

Já o espanhol Fernando Alonso não mostrou o mesmo bom humor, apesar de ter subido ao pódio ao cruzar a linha de chegada em terceiro.

“Fomos inferiores à Red Bull e à McLaren. Fiz uma boa largada e cheguei até a liderar a prova por um tempo, mas sabia que eles iriam passar de novo na minha frente porque o carro deles estava melhor. Essa é a realidade. Agora só me resta lugar para o segundo lugar do campeonato, como no ano passado”, lamentou.

Continua após a publicidade
Publicidade