Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Vettel vem aí, ansioso pela ‘corrida maluca’ de São Paulo

Em busca de outro recorde, alemão fala sobre peculiaridades do GP brasileiro

Por Da Redação 20 nov 2013, 17h56

“A prova é longa, com mais de 70 voltas, e coloca uma pressão muito forte no pescoço, por causa das longas curvas para a esquerda”, explicou o alemão ao falar sobre Interlagos

Com o tetracampeonato mundial garantido desde 27 de outubro, quando venceu o GP da Índia, Sebastian Vettel chega ao Brasil para disputar a última corrida desta temporada, no próximo domingo, em busca de novos recordes. Atrás de sua nona vitória consecutiva, ele espera triunfar novamente na prova que qualificou como “maluca”, nesta quarta-feira, por causa das exigências e alternativas que esse GP proporciona aos pilotos. Embora tenha subido ao topo do pódio nas últimas oito corridas e acumulado doze vitórias em dezoito etapas realizadas neste ano, o alemão da Red Bull mostrou que não espera ter as mesmas facilidades que encontrou, por exemplo, no GP dos Estados Unidos, no último domingo, quando ganhou de ponta a ponta.

Leia também:

Massa: ‘Será emocionante dar adeus à Ferrari no Brasil’

Lewis Hamilton cai no samba no Rio de Janeiro

Fernando Alonso diz que não vem ‘passear’ no Brasil

Continua após a publicidade

“Essa corrida é sempre maluca. Ela tem uma volta muito curta e é muito difícil ultrapassar em Interlagos”, disse Vettel, para depois apontar outra exigência provocada pelo traçado da pista paulistana. “A prova é longa, com mais de 70 voltas, e coloca uma pressão muito forte no pescoço, por causa das longas curvas para a esquerda. A força centrífuga te puxa para uma direção incomum”, completou, em referência ao fato de Interlagos ter sentido anti-horário, algo raro entre os grandes circuitos. Apesar das dificuldades, Vettel correrá como grande favorito e tem grande chance de conquistar neste domingo a sua nona vitória seguida na F1.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

A façanha só foi atingida pelo italiano Alberto Ascari, que emendou uma sequência de nove triunfos entre os anos de 1952 e 1953. Ganhar no domingo também significa igualar outro recorde, que pertence a Michael Schumacher, dono do maior número de vitórias em uma só temporada, com as treze obtidas no campeonato de 2004. O alemão, entretanto, assegura que não trata a busca de recordes como uma obsessão, embora tenha festejado o fato de ter se tornado o primeiro piloto da história da F1 a ganhar oito provas consecutivas em um único ano. “É fenomenal, difícil de compreender. É um recordes que eu achava que jamais seria quebrado. Eu não entro no carro pensando em recordes, mas sim em me divertir. Adoro pilotar.” Vettel deverá ter seu primeiro contato com o Autódromo de Interlagos nesta quinta-feira, quando os pilotos participam de entrevista coletiva e os mecânicos começam a preparar os carros para os treinos livres de sexta.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade