Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Vasco perde na Bolívia e se complica na Sul-Americana

Por Da Redação 6 out 2011, 00h05

Por AE

Cochabamba – Com um time basicamente reserva – os únicos titulares eram o goleiro Fernando Prass e o lateral-direito Fágner, o Vasco foi à Bolívia buscar um resultado negociável com o Aurora, no jogo de ida pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Apesar de sair na frente em lance fortuito, os cariocas não suportaram a pressão dos bolivianos e não acertaram o tempo da bola na altitude de 2.600 metros de Cochabamba. O resultado foi um 3 a 1 que obriga os cruzmaltinos a vencer por 2 a 0 no jogo da volta, no Rio de Janeiro, no próximo dia 26.

A proposta vascaína era segurar o ímpeto inicial dos donos da casa e tentar cozinhar o tempo que pudesse. O empate era nitidamente satisfatório para o time carioca, que contava em decidir a classificação em seus domínios. É claro que a aposta no contra-ataque e numa bola parada existia.

Mas o que apareceu para presentear o Vasco foi mesmo o acaso (ou à falta de categoria do goleiro Lanz). Aos 40 minutos, Fágner tentou um lançamento para Bernardo e a bola correu muito na altitude. Surpreendente foi o arqueiro boliviano (que na verdade é argentino) calcular mal a saída do gol e ser encoberto pela bola. Na continuação do lance, Bernardo apenas tocou para o gol aberto. “Eu e o Bernardo nos comunicamos pelo olhar. Eu errei o lançamento, mas acabou dando certo”, comentou Fagner.

A vantagem se apagou em menos de cinco minutos da etapa final. E a sorte voltou a ser protagonista. Após a cobrança de escanteio, a defesa vascaína não afastou e Villalba aproveitou o rebote. O detalhe foi que o atacante pegou torto na bola e acabou por encobrir Fernando Prass, que fechava o ângulo. Sete minutos depois, o Aurora chegou ao segundo gol. Andaveres aproveitou desvio de cabeça de Villalba e chutou forte de canhota.

Aos 22 minutos, um lance que naquele momento indicava que recolocaria o Vasco no jogo. Villalba simulou pênalti, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Mas quem marcou foi Reinoso. Ele ganhou de Nilton, que fazia seu primeiro jogo em mais de um ano, e finalizou com estilo: 3 a 1.

No restante do tempo, os donos da casa, com um a menos, se dedicaram a administrar a vantagem. Aos vascaínos faltaram entrosamento e melhor entendimento com a bola nas alturas bolivianas.

VITÓRIA ARGENTINA – Em Santiago, o Vélez Sarsfield saiu na frente no confronto contra a Universidad Católica ao vencer por 2 a 0, no estádio San Carlos de Apoquindo. Os gols, no primeiro tempo, foram de Guillermo Franco e Ivan Bella. Na volta, em Buenos Aires, no próximo dia 20, o time argentino pode perder por até um gol de diferença para avançar às quartas e enfrentar o vencedor do duelo entre Botafogo e Independiente Santa Fé, da Colômbia.

Ficha técnica

Continua após a publicidade

Aurora-BOL 3 x 1 Vasco

Aurora – Lanz; Peña, Edward Zenteno, Barba e Huayhuata; Edson Zenteno, Segovia, Sanjurjo (Mendez) e Galindo (Andaveris); Reinoso (Darwin Peña) e Villalba. Técnico: Julio César Baldivieso.

Vasco – Fernando Prass; Fagner, Douglas, Nilton e Julinho (Márcio Careca); Diego Rosa, Fellipe Bastos, Jonathan (Allan) e Bernardo; Leandro e Patric. Técnico: Cristóvão Borges (interino).

Gols – Bernardo, aos 40 minutos do primeiro tempo; Villalba, aos 5, Andaveris, aos 12, e Reinoso, aos 28 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos – Edward Zenteno, Sanjurjo e Andaveris (Aurora); Bernardo e Nilton (Vasco).

Cartão vermelho – Villalba (Aurora).

Árbitro – Georges Buckley (Fifa-Peru).

Renda e público – Não disponíveis.

Local – Estádio Félix Capriles, em Cochabamba (Bolívia).

Continua após a publicidade
Publicidade