Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Usain Bolt quer bater mais recordes até 2016

Jamaicano fala de seus planos para os próximos Jogos Olímpicos, quando terá 30 anos, e da vontade de jogar futebol no Manchester United, clube do qual é fã

A primeira pergunta da entrevista coletiva concedida pelo homem mais rápido do mundo na tarde desta terça-feira, no Rio de Janeiro, foi feita em 19s23. Um exagero. Bolt precisou somente de 19s19 para percorrer 200m e cravar o recorde mundial em 2009. “Você acha que haverá algum competidor a sua altura na Olimpíada do Rio, ou continuará imbatível?”

Impossível não brincar com o cronômetro diante de Usain Bolt, o homem que percorreu 100m em 9s58 e é o maior vencedor de todos os tempos da brincadeira mais primitiva e leal da humanidade. Ninguém jamais bateu os tempos e ninguém chegou perto de ameaçar as seis medalhas de ouro – duas conquistadas no revezamento com a equipe jamaicana – que o atleta colecionou nas últimas duas Olimpíadas. Bolt respondeu que há atletas de ponta em evolução e que o time jamaicano vai continuar em alta. Mas o superatleta não olha para trás para ver quem vai superá-lo. Por enquanto, Bolt corre contra Bolt.

Leia também:

Usain Bolt faz sua pose clássica no Cristo Redentor

Bolt muda de ideia e decide tentar tri olímpico na Rio-2016

Galeria de fotos: Bolt, rei das pistas e alegria dos fotógrafos

‘Eu sou a lenda’: Bolt agora corre atrás de um outro desafio

“Buscar o recorde novamente está na minha meta. É uma coisa que eu busco e com certeza estarei disposto a tentar novamente”, confirmou.

Segundo ele, a tentativa de quebra de recorde deve ocorrer na próxima temporada, quando terá 27 anos. No entanto, a idade não deve ser empecilho para novas medalhas. Ele terá 30 anos nos jogos do Rio. “Tudo vai depender de como vou administrar esses quatro anos. Se eu não forçar muito o meu corpo, posso chegar lá”, disse.

Fã do Manchester United, Bolt afirmou que vai tentar ser jogador do clube inglês após se aposentar das pistas, em 2016. “Participo de jogos beneficentes. Gosto de jogar com meus amigos. Vou tentar depois que me aposentar. Mas não jogo em outro time”, avisou. Se poderia ser artilheiro, não se sabe. Mas que teria arrancadas fulminantes é certo.

Perguntado se ele se compararia a ícones como Pelé e Michael Jordan, Bolt foi humilde, mas ao mesmo tempo manteve a altivez de quem, com justiça, se transformou em lenda viva do esporte. “Só quero ser o melhor no meu esporte. Não posso determinar se sou o melhor em outras modalidades, não é possível comparar. Mas fiz a minha parte no meu esporte”, disse.

A passagem pelo Rio, claro, é rápida. Ele chegou à cidade às 9h desta segunda-feira e sobrevoou a cidade em um helicóptero. Após participar de uma confraternização com crianças e receber a chave da cidade das mãos do prefeito Eduardo Paes, o atleta conheceu as instalações da Vila Olímpica Manoel José Gomes Tobino, na zona oeste da cidade, e conversou com a imprensa. Bolt veio ao Rio a convite de seu patrocinador. À noite, o atleta participa de uma festa promovida em sua homenagem em uma boate da Gávea, na zona sul. Na terça-feira, antes de deixar o Brasil, Bolt participa de uma sessão de autógrafos em uma loja de artigos esportivos no Leblon, na zona sul.

Conquistas

Recordes

Soberania

Biotipo

Popularidade