Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Um ano após acidente, situação de Schumacher ainda é um mistério

Ex-piloto alemão segue em recuperação na mansão de sua família, na Suíça

Ainda envolto em mistérios, o grave acidente de esqui sofrido pelo ex-piloto alemão Michael Schumacher nos Alpes Franceses completa um ano nesta segunda-feira. Em 29 de dezembro de 2013, Schumacher se chocou de cabeça contra uma pedra enquanto esquiava com sua família e alguns amigos em Meribel, o que lhe provocou um grande derrame no cérebro, mesmo usando capacete. Atualmente, o maior campeão da história da Fórmula 1 permanece em recuperação em sua casa em Gland, na Suíça.

Schumacher foi levado para o local em setembro após ter despertado de um coma induzido no hospital de Grenoble, na França, e de ter passado um tempo em uma clínica de reabilitação de Lausanne. As manifestações de apoio de familiares, amigos e fãs e, sobretudo, o clima de segredo em torno do quadro clínico do ex-piloto marcaram o primeiro aniversário do acidente. Schumacher completará 46 anos em 3 de janeiro.

Leia também:

‘Schumacher �está paralisado e em uma cadeira de rodas�’

Schumacher: numa data histórica, família agradece aos fãs

Família de Schumacher gasta R$ 1,5 mi por mês com tratamento, diz jornal

Médico: Schumacher pode levar 3 anos para se recuperar

De acordo com as últimas informações oficiais, Schumacher trabalha diariamente na recuperação de suas capacidades. O processo, segundo os especialistas, pode durar vários anos e tem sucesso incerto. Enquanto alguns médicos confiam que o ex-piloto poderá em algum momento voltar a ter uma vida normal, outros especialistas consideram que Schumacher permanecerá em estado vegetativo.

Além de algumas especulações – geralmente otimistas -, pouquíssimos detalhes sobre a evolução do quadro do alemão foram revelados. Tanto a família quanto a equipe médica preferem manter o caso em sigilo. “Ele está progredindo, levando em consideração a complicada situação, mas vai ser um longo e difícil processo. Vamos dar tempo ao tempo. Só posso voltar a agradecer o apoio que a família tem recebido. Estão todos muito tocados com as mensagens de carinho. Acho que esta energia positiva pode ter um bom efeito”, afirmou a assessora pessoal do heptacampeão, Sabine Khem, à agência Reuters nesta semana.

Na mesma entrevista, Kehm rebateu as declarações do ex-piloto Philippe Streiff ao jornal francês Le Figaro. Na ocasião, Streiff afirmou que Schumacher está em uma cadeira de rodas, com graves problemas de fala e memória. Ele disse ainda que o heptacampeão está “começando a reconhecer a esposa e os filhos”. Sabine Kehm não confirmou as informações e disse que Streiff “nunca foi um amigo próximo” de Schumacher e sua família. “Não posso confirmar isso. Só posso confirmar que não sei de onde Sr. Streiff obteve essa informação, porque ele não teve nenhum contato conosco, nunca.”

Em julho, a esposa Corinna Schumacher foi pouco conclusiva ao falar da situação do marido: “Vamos continuar lutando, certamente lentamente, mas pelo menos avançando”. O secretismo provocou um fato obscuro em agosto, quando foi roubado o relatório médico do heptacampeão e oferecido – sem sucesso – em troca de dinheiro a vários veículos de comunicação. O principal suspeito foi um membro da guarda de salvamento suíço que se suicidou um dia após ser detido por esse motivo.

Leia também:

Câmera no capacete causou lesão no cérebro de Schumacher, diz jornalista

Schumacher deixa hospital e seguirá tratamento em casa

Schumacher tem melhora lenta, mas visível, diz mulher

Apoio – Apesar da pouca informação, os fãs incondicionais de Schumacher continuam rezando pelo ex-piloto, que venceu 91 Grandes Prêmios de Fórmula 1, acumulou 155 pódios, 77 voltas mais rápidas e 68 pole positions. Neste domingo, a Ferrari postou um comunicado em seu site oficial reiterando o apoio da escuderia ao ex-piloto e sua família. A Ferrari lamentou novamente o trágico acidente e ressaltou o apoio imediato dos fãs mundo afora que desejam a recuperação de Schumacher. Além disso, a escuderia exaltou a força e a determinação que o ex-piloto demonstrava desde que conquistou títulos com o capacete vermelho.

O gigante tecnológico americano Google informou recentemente que “Schumacher” foi a palavra mais procurada na Alemanha neste ano, enquanto o Yahoo! revelou que o ex-piloto de Fórmula 1 foi o atleta mais procurado em 2014, deixando o atacante português Cristiano Ronaldo em segundo lugar. Embora esta segunda-feira marque o primeiro aniversário do acidente, não está previsto na Alemanha nenhum ato para lembrar a data.

Em 13 de novembro, quando a primeira vitória do alemão na Fórmula 1 completou 20 anos, a família reativou sua página oficial, como resposta às incessantes mostras de afeto. O ex-piloto ainda recebeu o prêmio alemão Bambi, dado a pessoas com visão por seu sucesso e seus rendimentos.

(Com agências EFE e Gazeta Press)