Clique e assine a partir de 8,90/mês

UFC Rio 4: Na 1ª luta feminina no país, vitória da brasileira

Amanda Nunes venceu a alemã Sheilar Gaff, no peso-galo, aumentando o placar para os lutadores brasileiros no card preliminar: cinco vitórias e uma derrota

Por Davi Correia, do Rio de Janeiro - 3 ago 2013, 22h10

O UFC realizou na noite deste sábado a primeira luta feminina em território brasileiro no UFC Rio 4, ou número 163. Com a HSBC Arena bem mais vazia do que nas outras edições cariocas, Amanda Nunes venceu a alemã Sheilar Gaff, no peso-galo – que tem a americana Ronda Rousey como campeã. Com o apoio da torcida, a brasileira começou o primeiro round partindo para cima da alemã, que respondeu com belos contra-golpes, mas não conseguiu impor seu ritmo. Amanda apostou nas quedas, buscando o ground and pound, e não deu espaço para a rival aplicar seus golpes. Com o rosto aparentemente intacto, ela aproveitou uma das quedas e, com várias cotoveladas, obrigou o árbitro a interromper a luta. “A Sheilar Gaff acreditava que ia acabar com a festa da minha torcida, ela é louca”, disse a brasileira.

A vitória de Amanda aumentou o placar para os brasileiros, que levaram a melhor na noite: cinco vitórias e uma derrota, de Iliarde Santos para o americano Ian McCall. Ainda resta uma luta no card preliminar, de Vinny Magalhães contra o britânico Anthony Perosh. O UFC Rio 4 também terá Lyoto Machida enfrentando Phil Davis, nos meio-pesados, e José Aldo defendendo o cinturão dos penas contra o Chan Sung Jung, o Zumbi Coreano.

Leia também:

​Começa venda de ingressos para UFC em Belo Horizonte

UFC confirma data e local da próxima luta de Anderson Silva

Continua após a publicidade

UFC 162: não, a derrota não foi armação. Saiba os motivos

Na primeira luta deste sábado, o estreante Viscardi Andrade, nos meio-médios, nocauteou o inglês Bristol Marunde em menos de dois minutos no primeiro round. Depois de ser eliminado na 2ª edição do The Ultimate Fighter Brazil por William Patolino, o campeão de jiu-jitsu surpreendeu ao conseguir uma boa sequência de socos logo no início e obrigou o árbitro Mario Yamasaki a interromper o combate. Na sequência, Francimar “Bodão” Barroso enfrentou Ednaldo “Lula” Oliveira, nos meio-pesados. Em uma luta bastante vaiada pelo pouco público, os juízes deram a vitória a Bodão.

O próximo brasileiro a entrar no octógono foi Rani Yahya, que enfrentou o americano Josh Clopton, entre os penas. Yahya conseguiu boas sequências na trocação, usou bem seu jiu-jitsu e venceu por pontos. “Gostaria de pedir desculpa por não ter finalizado, prometo lutar na melhor na próxima oportunidade”, disse o brasileiro. Em um dos melhores combates da noite, Iliarde Santos e Ian McCall passaram os três rounds insistindo na trocação, entre os moscas. Novamente, o resultado foi decidido pelos juízes, que decidiram a favor de McCall. Logo depois, Serginho Moraes, vice-campeão da 1ª edição do The Ultimate Fighter Brazil, deu uma aula de jiu-jitsu e finalizou o americano Neil Magny no primeiro round, entre os meio-médios – levantando o público da arena.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade
Publicidade