Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

UFC Rio 3: o herói Minotauro tenta se reerguer (outra vez)

O velho ídolo do MMA precisa de todo o seu notável poder de superação para voltar a vencer lutando em casa - e, assim, ganhar novo fôlego dentro do UFC

Por Da Redação 10 out 2012, 08h19

Se a idade avançada e os problemas físicos do passado colocam dúvidas em torno do desempenho de Minotauro, pelo menos uma coisa é garantida para sábado: o velho ídolo dos fanáticos por MMA terá o apoio incondicional da torcida

Depois de ser campeão e virar ídolo no Pride, Rodrigo Minotauro estava sem lutar havia mais de um ano quando aceitou o desafio de voltar ao octógono no primeiro UFC Rio, em agosto de 2011, contra Brendan Schaub, que vinha de vitória contra Mirko Cro Cop. A situação do brasileiro era delicada: estava se recuperando de intervenções cirúrgicas no quadril e acreditava-se que seria demitido do UFC se perdesse mais uma vez (vinha de derrota para Cain Velasquez). O lendário lutador foi para a briga e não decepcionou: aproveitou o apoio da torcida e conseguiu dar a volta por cima com um nocaute no primeiro round. A multidão de admiradores reunidos na HSBC Arena gritava, em coro: “O campeão voltou”. E parecia mesmo ter voltado – no combate seguinte, em dezembro, no UFC 140, em Toronto, Minotauro encarou um lutador muito respeitado, Frank Mir, e o dominou logo no primeiro assalto. A luta parecia ganha, mas Minotauro deu brecha para Mir se recuperar. Acabou não só derrotado como também com o braço quebrado. Aos 36 anos e enfim recuperado da gravíssima lesnao, Minotauro tenta repetir a história de superação do ano passado na terceira edição do UFC Rio, no sábado. O lutador espera usar mais uma vez a cidade onde mora e treina como palco para brilhar e voltar a ganhar destaque dentro do UFC.

Leia também:

Globo se previne e garante transmissão ao vivo

Stephan Bonnar, o boa-praça que pode estragar a festa

UFC Rio 3 acontece na capital brasileira do MMA

As lutas do UFC Rio 3

Card principal

Anderson Silva x Stephan Bonnar

Minotauro x Dave Herman

Glover Teixeira x F. Maldonado

Jon Fitch x Erick Silva

Wagner Caldeirão x Phil Davis

Demian Maia x Rick Story

Continua após a publicidade

Card preliminar

Rony Jason x Sam Sicilia

Gleison Tibau x F. Massaranduba

Diego Brandão x Joey Gambino

Serginho Moraes x Renée Forte

Luiz Cané x Chris Camozzi

Cristiano Marcello x Reza Madadi

Se a idade avançada e os problemas físicos do passado colocam dúvidas em torno do desempenho de Minotauro, pelo menos uma coisa é garantida para sábado: o velho ídolo dos fanáticos por MMA terá o apoio incondicional da torcida. Foi o público, aliás, que colocou Minotauro no card – com as ausências de José Aldo e Rampage Jackson, ambos lesionados, os torcedores usaram a internet para defender a convocação de Minotauro para o evento. Não demorou para que Dana White comprasse a ideia e convidasse o brasileiro – afinal, a presença de Minotauro seria garantia de um bom público na arena. Para Minotauro, restou um problema: acelerar a preparação num período curto. Ele vinha treinando, mas não tinha data marcada nem desafiante definido para voltar aos octógonos. Ele recebeu o convite para o UFC Rio 3 enquanto gravava um comercial ao lado de Anderson Silva. Mesmo com uma preparação muito distante do ideal, aceitou na hora. Seu adversário será Dave Herman, especialista em wrestling. Aos 28 anos, o americano vem provocando o brasileiro dizendo que o jiu-jitsu, especialidade de Minotauro, não funciona contra seu estilo de luta. Experiente, o brasileiro finge não ouvir, diz que também é forte na trocação e promete responder apenas dentro do octógono. No duelo contra Schaub, a maioria esperava que Minotauro levasse a luta para o chão, mas ele surpreendeu, conseguiu uma excelente sequência de socos e nocauteou o adversário.

Leia também:

Começa a semana do show de Anderson Silva

Ao salvar show, Anderson reforça status de herói do UFC

‘É difícil fazer algo acontecer aqui no Brasil’, diz Dana White

Embalado pela vitória no Rio, Minotauro parecia próximo de retomar seus melhores momentos no octógono. Aceitou o desafio contra Frank Mir, que havia tirado seu título no UFC 92, em 2008, e é conhecido pelo bom jiu-jitsu e pelas provocações antes dos duelos. O brasileiro apostou no boxe e estava perto de conseguir um nocaute, mas decidiu que queria vencer no chão. Mir conseguiu uma excelente virada e quebrou o úmero do braço direito do adversário. Além da dor pela contusão, Minotauro carregou da luta a decepção de ter errado e abandonado a estratégia traçada por seus treinadores. Foram quase três meses sem treinar por causa da cirurgia, que inclusive tirou um pouco da sensibilidade de seus dedos nos primeiros dias. Minotauro sabe que uma vitória convincente contra Dave Herman deixará no passado a frustração provocada pelo revés contra Mir. Também sabe que mais uma vitória diante da torcida brasileira consolidará seu nome na galeria dos maiores ídolos das lutas no país. Mais importante que tudo isso, um triunfo no sábado exibirá mais uma vez a principal característica de Minotauro: o notável poder de superação, de contornar as adversidades e vencer mesmo em situações adversas (confira no vídeo abaixo).

‘Sempre lutando’

No vídeo divulgado pelo UFC nos preparativos para a luta no Rio, Minotauro fala sobre seu poder de superação, em especial depois de um gravíssimo acidente sofrido ainda na infância

Continua após a publicidade
Publicidade