Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

UFC: onda de revanches mobiliza os fãs (e rende milhões)

Ainda neste ano, Anderson revê Weidman, Cigano volta a encarar Velasquez e Miesha Tate tentará se vingar de Ronda. Confira outras rivalidades marcantes

Por Da Redação 24 set 2013, 08h49

Quando Chris Weidman chocou o mundo e nocauteou Anderson Silva no UFC 162, Dana White, presidente do torneio, não conseguia esconder a empolgação com a perspectiva de uma revanche entre os atletas – ainda que o brasileiro tivesse acabado de dizer que não queria reencontrar o americano. O chefão da franquia tinha certeza de que conseguiria convencê-lo a fazer “a maior luta de todos os tempos” contra Weidman. E conseguiu: os dois se enfrentam em 28 de dezembro no UFC 168, no mesmo dia em que acontece outra revanche, entre as arquirrivais Ronda Rousey e Miesha Tate. Antes disso, já no mês que vem, Júnior Cigano e Cain Velasquez, que dominam a categoria dos pesados, voltam a ficar frente a frente para um terceiro duelo. E no último sábado, depois que Alexander Gustafsson fez Jon Jones sofrer para manter o cinturão no UFC 165, os apelos dos fãs por uma segunda luta surgiram logo no fim do evento, enquanto ambos ainda estavam no hospital para tratar os ferimentos sofridos na batalha ocorrida em Toronto.

Leia também:

Ser coadjuvante de Anderson é alívio para Ronda

UFC 162: não, a derrota não foi armação. Saiba os motivos

O que estará em jogo em uma revanche Spider x Weidman

Cansado de ganhar, Anderson sentiu alívio ao perder

Para Dana White, nada melhor que alimentar a onda de revanches: essas lutas são uma mina de ouro na franquia, já que atraem ainda mais atenção dos fãs e impulsionam a arrecadação obtida com os eventos (além, é claro de abrirem caminho para novos capítulos da rivalidade, como a trilogia entre Cigano e Velasquez). As sequências de combates estão entre os maiores sucessos de pay-per-view da companhia – que também consegue aumentar a exposição do evento e promover os combates com repercussão ainda maior. Nesta terça-feira, por exemplo, Anderson e Weidman voltam a se encontrar – não no octógono, mas sim num grande evento promocional em Las Vegas, parte de uma turnê internacional que tenta reforçar ainda mais a expectativa pelo combate do fim do ano. Satisfeito com os lucros cada vez maiores, Dana White, é claro, participa das viagens de divulgação de mais essa revanche.

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade
Publicidade