Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

UFC: Evans resiste, mas campeão Jones mantém o título

Veterano escapou do nocaute, mas campeão de 24 anos controlou luta, tentou uma vitória durante todo o confronto e venceu por decisão unânime dos juízes

Por Da Redação 22 abr 2012, 01h41

Depois de subir ao octógono com gritos, caretas e uma inusitada coreografia, Jon Jones partiu para o ataque desde o começo da luta

O americano Jon Jones vem sendo apontado por especialistas – e pelos próprios chefões do UFC – como o futuro da maior franquia de MMA do mundo. E o lutador, de 24 anos, vem justificando essa fama. Em sua terceira defesa de cinturão, o atual campeão dos meio-pesados derrotou o americano Rashad Evans, veterano de 32 anos, no UFC 145, na madrugada deste domingo (no horário de Brasília), na Philips Arena, em Atlanta. A vitória só veio por decisão dos juízes, ao final de cinco assaltos, mas o campeão jamais pareceu ameaçado pelo rival. Jones – que começou a carreira como companheiro de treinos do próprio Evans – segue com o título, e pouca gente acredita que exista algum lutador em sua categoria capaz de derrubá-lo. Evans, por sua vez, dificilmente terá outra chance de recuperar o título mundial que já foi dele uma vez (perdeu o cinturão logo na sua primeira defesa de título, para o brasileiro Lyoto Machida, em 2009).

Leia também:

Leia também: No sábado, UFC negou demissão de Anderson e definiu rival de Cigano

Próximas edições do UFC

UFC on Fox, 5 de maio

Nate Diaz x Jim Miller, em Nova Jersey

UFC 146, 26 de maio

Júnior Cigano x Frank Mir, em Las Vegas

Continua após a publicidade

Final do TUF, 23 de junho

Vitor Belfort x Wanderlei Silva, em local a definir

Evans voltou para o terceiro assalto ainda mais cauteloso, dificultando o trabalho de Jones, que conseguiu encaixar poucos golpes. O ritmo foi o mesmo no quarto round – e o campeão não escondeu sua frustração com a estratégia do adversário ao ouvir o fim do assalto. No round final, o combate voltou a esquentar, com Jones tentando mais golpes mesmo estando em vantagem numa eventual decisão dos juízes. Ele poderia ter administrado a luta nos minutos finais, mas seguiu arriscando e tentando o nocaute – e acabou sendo premiado por uma decisão unânime dos juízes. O combate aconteceu depois de meses de provocações entre os rivais, culminando na pesagem, na sexta-feira, quando eles chegaram até a trocar empurrões no momento da tradicional “encarada” dos lutadores. “Estou empolgado e pronto para bater no Rashad”, disse, na ocasião, o confiante Jones, que vinha de vitória (finalização com uma guilhotina invertida de pé) sobre o brasileiro Lyoto Machida, em dezembro.

Evans tinha vencido Phil Davis em seu último confronto, por decisão dos juízes, no fim de janeiro, em Chicago. Com a derrota de Evans neste sábado, os antigos parceiros de treino não devem voltar a se enfrentar, já que Jones dificilmente cederá uma revanche ao adversário derrotado em Atlanta. Nas outras lutas do card principal, o canadense Mark Bocek derrotou seu compatriota John Alessio, por decisão dos juízes, na categoria leve, e o americano Eddie Yagin bateu o canadense Mark Hominick, também por decisão dos juízes, na categoria leve. Em seguida, o americano Michael McDonald nocauteou o também americano Miguel Angel Torres logo no primeiro round, na categoria peso galo; Ben Rothwell levou a nocaute Brendan Schaub, também em apenas um round, numa luta entre dois pesos pesados americanos; e o canadense Rory MacDonald derrotou o inglês Che Mills, por nocaute técnico, no segundo round, na categoria de meio-médios.

Leia também:

Por que tanta gente se apaixona por UFC

UFC: saiba como o MMA nocauteou o boxe em oito golpes

Rorion Gracie, inventor do UFC: ‘Antes era briga, agora é só show’

UFC: lutadores imitam ‘discurso de boleiro’ e só se repetem

Lorenzo Fertitta: ‘Sempre quis um time de futebol americano ou basquete’

Continua após a publicidade

Publicidade