Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

UFC: campeão deprimido e júri fraco estragam aniversário

Dana White teve acesso de fúria depois que St-Pierre ganhou por pontos - e injustamente - de Hendricks. E tudo piorou quando ele disse que ia se afastar

“Eu não consigo dormir à noite, cara. Estou enlouquecendo. Tenho problemas e preciso ficar longe por um tempo. Não sei o que vou fazer”, disse GSP

Dana White tinha motivos de sobra para comemorar na noite em que seu torneio festejou 20 anos de existência. O UFC 167 lotou o maior palco de Las Vegas (com uma bilheteria total de 5,7 milhões de dólares), vendeu muitos pacotes de pay-per-view e foi marcado por lutas empolgantes, incluindo o combate que fechou a noite, entre o campeão Georges St-Pierre e o desafiante Johny Hendricks. Mas a partir do momento em que a luta terminou, a celebração saiu dos trilhos. Primeiro com o anúncio da decisão dos jurados encarregados de apontar um vencedor depois de cinco rounds. Para desespero de Hendricks – e revolta de boa parte dos especialistas -, GSP foi declarado ganhador por um ponto. A partir daí, o assunto já não era mais o sucesso do evento, mas sim a pontuação desastrosa da luta – nas redes sociais, lutadores, treinadores, comentaristas e torcedores reclamaram muito do fato de Hendricks ter saído do octógono sem nenhuma marca no rosto, mas também sem o cinturão. St-Pierre, enquanto isso, era levado para o hospital, cheio de cortes e hematomas.

“Alguém aqui acha que o Hendricks não ganhou a luta?”, perguntou o presidente do UFC ao iniciar a entrevista coletiva depois do evento. “Estou chocado com a vitória do St-Pierre. Eu quero o justo, e isso não foi justo.” O chefão admitiu que deveria estar comemorando, pois St-Pierre é um astro e, para a franquia, é melhor que ele ganhe sempre. “Eu deveria estar dizendo: ‘Oba, esses idiotas deram a vitória ao Georges!’ Mas não é o certo, não é assim que funciona.” Inimigo de longa data de Keith Kizer, que comanda a Comissão Atlética de Nevada – órgão responsável por escalar os jurados -, Dana White pediu até a intervenção do governador do estado para derrubar o cartola. “Essa comissão é uma coisa atroz. O governador precisa dar a cara imediatamente antes que esses caras destruam o esporte como já fizeram com o boxe.” O chefão do UFC, que mora na própria cidade de Las Vegas, sede da franquia, foi além e se disse preocupado com os próximos eventos. “Estou com muito medo de voltar para cá e promover outras lutas. Estou com medo do estado de Nevada!”

Leia também:

UFC 167: Evans nocauteia falastrão (e amigo) Sonnen

UFC: os cinco desafios para os próximos vinte anos

As 20 zebras mais chocantes dos 20 anos do torneio

Os 20 lutadores que marcaram os 20 anos da franquia

As 20 melhores noitadas de lutas em 20 anos de UFC

Revanche – A incompetência dos jurados que deram a vitória a St-Pierre foi só uma parte dos problemas de Dana White na noite festiva. Depois do anúncio da decisão, ainda no octógono – e em meio a vaias de parte do público -, o campeão anunciou que pretende se afastar das lutas por tempo indeterminado para resolver problemas pessoais. Questionado sobre a possibilidade de se aposentar, ele desconversou. “Preciso dar um tempo e ficar longe”, repetiu. O chefão do UFC não conseguiu esconder a irritação. “Isso não existe. Você não chega e diz: ‘Ei, vou tirar um tempo, talvez eu volte, talvez não’. Você deve aos fãs, à companhia e a Johny Hendricks uma nova luta contra ele”, disparou. Para surpresa de todos, enquanto era alvo da fúria do chefão, St-Pierre voltou à arena depois de ser examinado e sentou-se ao lado de Dana White para participar da entrevista. E seu depoimento deixou todos ainda mais surpresos. “Eu não consigo dormir à noite, cara”, disse, ao ser questionado sobre a decisão de se afastar. “Estou enlouquecendo. Tenho problemas e preciso ficar longe por um tempo. Não sei o que vou fazer.” O canadense não quis de jeito nenhum falar sobre o que tem tirado seu sono. “Não posso falar, é minha vida pessoal.”

St-Pierre voltou a dizer que não sabe se algum dia voltará a lutar e fez questão de dizer que não quer prejudicar o UFC – que, agora, terá de resolver o que fazer com o cinturão da categoria, caso o canadense cumpra a promessa e fique mesmo afastado. “Eu jamais viraria as costas para o UFC, nunca. Eu entendo a irritação deles, é ruim para eles. Mas, como eu disse, eu preciso tomar uma posição.” Ainda nervoso, Dana White impediu que GSP continuasse a ser interrogado pelos jornalistas e disse que queria conversar com o campeão – logo que encerrou a entrevista, puxou o canadense para uma sala para discutir o que havia acontecido. “Ele disse umas dez vezes que não quer contar qual é o problema, mas vou falar com ele.” Pouco depois, o dirigente retornava para conversar com os jornalistas – e já aparentava estar mais tranquilo. “Acho que vai dar tudo certo”, afirmou, sem revelar muitos detalhes do que foi dito a portas fechadas. “Não acredito que teremos de ficar esperando. Ele quer lutar. Não se trata de pensar em aposentadoria, nada disso. É um problema pessoal que o abalou muito, mas acho que ele vai superar isso.” Confiante em seu poder de persuasão, o presidente do UFC já começou até a promover a próxima luta do campeão. “É preciso fazer uma revanche. Johny merece.”