Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

UFC: Brandão conta com dicas de Jon Jones para vencer

Único brasileiro no UFC Suécia, no sábado, cearense de 25 anos treinou com o campeão dos meio-pesados. Ele pega o americano Pablo Garza, entre os penas

Por Davi Correia 5 abr 2013, 11h06

“O Jon Jones ama o Brasil, principalmente o Rio de Janeiro. Ele achou as pessoas muito bonitas, não só as mulheres. Disse que foi muito bem tratado e elogiou a educação dos brasileiros. Ele quer voltar logo ao Brasil e disse que espera ser convidado para o próximo UFC Rio”

O brasileiro Diego Brandão estreou no UFC em dezembro de 2011, quando finalizou Dennis Bermudez logo no início do combate e tornou-se o primeiro lutador do país a ser campeão do reality show The Ultimate Fighter (em sua versão americana). No sábado, no UFC Suécia, ele terá mais um desafio, agora contra o americano Pablo Garza, depois de acumular uma vitória e uma derrota na franquia. Diego Brandão ganhou a confiança do UFC e passou a treinar em uma das melhores academias do mundo, comandada pelo técnico Greg Jackson. Como parceiro de treino ele tem ninguém menos que o campeão dos meio-pesados, Jon Jones. “Tem muita gente no Brasil que queria apertar a mão do Jon Jones, e eu estou treinando com ele”, diz ele, contente com a oportunidade.

Leia também:

UFC inicia seu ambicioso plano de expansão pelo Brasil

Os desafiantes que tentarão impedir a ‘luta do século’

Conhecido pelo bom humor, Diego Brandão nasceu no Ceará, mas mudou-se para Manaus quando ainda tinha 7 anos. Morando há quatro anos nos Estados Unidos, ele já começa a se esquecer de algumas palavras em português e admite que precisa parar para pensar quando tem de lembrar do vocabulário de seu idioma de origem. Mas Brandão não esconde a vontade de voltar a lutar no Brasil – sua última vitória foi no terceiro UFC Rio, em outubro de 2012, contra Joey Gambino. “Gostaria de lutar em Manaus. Já ouvi falar que o UFC está indo para lá. O público brasileiro é diferenciado”, contou ele em entrevista concedida por telefone, em meio aos últimos preparativos para a luta do fim de semana. O UFC Suécia começa às 11h50 de sábado (no horário de Brasília). O card principal está previsto para as 15 horas, e a transmissão para o Brasil é exclusiva do canal pago Combate. A luta principal será entre o americano Gegard Mousasi e o sueco Ilir Latifi.

Leia também:

Leia também: ‘TUF não é BBB’, avisa brasileiro campeão do reality show

O que mudou desde que você foi campeão do TUF, em 2011? Muita coisa. Agora, sou mais experiente e mais maduro. Não tenho mais aquela pressão de estrear com vitória. Acho que só um lutador entende esse sentimento, que é indescritível. Os treinos também estão mais fortes e aprendi muito depois da minha primeira derrota, para o Darren Elkins, em 2012. Entendi que um lutador do UFC precisa se dedicar 100% às lutas. Não é possível parar de treinar nem durante as férias.

Como foram os treinos para a luta deste sábado? Vou lutar com um cara alto. Por isso, treinei muito com o Jon Jones, meu parceiro na academia. Todos os treinadores da equipe do Greg Jackson me ajudaram muito. Se eu vencer essa luta, acredito que entro para a lista dos dez melhores da categoria. E é isso que eu quero para minha carreira. Quero ser campeão, assim como Wanderlei Silva e Rodrigo Minotauro.

Continua após a publicidade

Já tem alguma estratégia para o combate? Meu adversário é maior do que eu, então preciso mesmo de uma boa tática. Meu estilo de luta é agressivo, mas preciso de calma, velocidade e agilidade nos ataques. Tivemos muita preocupação na parte física, já que ele é mais alto e vai ser mais difícil colocar para baixo.

Como é treinar na academia do Greg Jackson, uma das mais renomadas do mundo? Só tenho a agradecer pela oportunidade. Sempre fui muito bem recebido, todos os treinadores me respeitam muito. A academia tem muitos lutadores, então é complicado eles focarem em apenas um atleta, mas fizeram isso comigo. O Greg Jackson disse que eu tenho chance de ser campeão, só depende de mim. Preciso focar e ter disciplina para executar aquilo que treinei.

Nesta sexta, Dana White postou uma foto do lado de Diego Brandão
Nesta sexta, Dana White postou uma foto do lado de Diego Brandão VEJA

E como é o Jon Jones durante os treinos? Tem muita gente no Brasil que queria só apertar a mão do Jon Jones, e eu estou treinando com ele. É muita sorte. Eles abriram as portas para um garoto que não tinha dinheiro. Durante os treinos eu canso e ele fala que eu preciso respirar. Ele me ensinou a dosar o fôlego, falou que o combate só começa quando você está cansado. Por causa dele estou mais calmo. Sei que o nocaute vem com naturalidade e preciso saber usar minha energia dentro do octógono. O Jon Jones me passou toda a sua experiência de luta.

Vocês já conversaram sobre o Brasil? O Jon Jones ama o Brasil, principalmente o Rio de Janeiro. Ele achou as pessoas muito bonitas, não só as mulheres. Disse que foi muito bem tratado e elogiou a educação dos brasileiros. Ele quer voltar logo ao Brasil e disse que espera ser convidado para o próximo UFC Rio.

Você pensa em voltar a lutar no Brasil? Gostaria de lutar em Manaus, já ouvi falar que o UFC está indo para lá. O público brasileiro é diferenciado. O ginásio já está lotado desde a primeira luta do card, com todo mundo gritando seu nome. Eu fiquei emocionado quando escutei meu nome durante o terceiro UFC Rio, em 2012.

Leia também:

Confira a entrevista exclusiva com Anderson Silva nos EUA

Conheça a academia ‘vip’ de Anderson Silva na Califórnia

Dana White se prepara para NY e já sonha com Olimpíada

UFC aperta cerco contra drogas que ajudam desempenho

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade
Publicidade