Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

UFC aperta cerco contra drogas que ajudam desempenho

No mesmo dia, dirigente da franquia pediu pena menor para uso de maconha

Por Da Redação 22 mar 2013, 17h10

Dana White e sua trupe adoram divulgar que o UFC é um dos torneios esportivos mais rigorosos quando o assunto é controle de doping – é comum os lutadores passarem por exames de surpresa antes e depois de seus combates. Apesar desse rigor, que deveria desencorajar o doping, são relativamente frequentes os casos de atletas flagrados nos testes – o que levou a franquia a apertar o cerco contra os atletas que usam substâncias ilegais para melhorar seu desempenho dentro do octógono. Ao mesmo tempo, o UFC tenta, junto com as comissões atléticas que regulamentam as competições de MMA nos Estados Unidos, suavizar as punições aos atletas flagrados pelo uso de uma droga que não é usada para melhorar o rendimento, a maconha. A sinalização dos dirigentes é clara: a intenção é combater implacavelmente o consumo de substâncias que podem influenciar o resultado de uma luta, mas evitar punições esportivas para casos de consumo de uma droga que não está ligada à performance do atleta.

Leia também:

UFC inicia seu ambicioso plano de expansão pelo Brasil

Os desafiantes que tentarão impedir a ‘luta do século’

‘Missão dada é missão cumprida’, diz Anderson

Na quinta-feira, por exemplo, o americano Lavar Johnson foi demitido do UFC depois de ser flagrado no exame antidoping. Ele está suspenso de todas as lutas de MMA por nove meses. Além disso, Dana White prometeu ficar de olho nos lutadores que fazem uso de reposição hormonal como Chael Sonnen e Vitor Belfort. Muitos desses atletas constantemente apresentam índice de testosterona acima do normal. A prática é legalizada pelas comissões atléticas americanas, mas o chefão do UFC já avisou que pretende barrar a prática nos próximos meses. Na contramão dos esteroides, a maconha pode ter a pena reduzida no torneio. No mesmo dia em que Johnson foi demitido, um dirigente do UFC, Marc Ratner, procurou a Comissão Atlética de Nevada, que regulamenta as lutas em Las Vegas – o principal palco das noitadas de UFC -, e pediu que a maconha seja combatida com penas mais brandas. Nick Diaz, por exemplo, ficou mais de um ano afastado do octógono porque foi flagrado num exame – ele disse que fumava maconha algumas vezes para reduzir a ansiedade. Vários lutadores já testaram positivo para uso de maconha no UFC. Alguns alegaram fazer o uso medicinal da droga, que é permitido em alguns estados do país.

Continua após a publicidade

Leia também:

Confira a entrevista exclusiva com Anderson Silva nos EUA

Conheça a academia ‘vip’ de Anderson Silva na Califórnia

Por que o astro Anderson Silva não aceita qualquer oponente

Dana White se prepara para NY e já sonha com Olimpíada

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade

Publicidade