Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

UFC 200: Jon Jones chora por corte e nega doping

Astro do MMA pediu desculpas por ter sido excluído do evento mais badalado da história do UFC, mas disse que "jamais trapacearia"

Por Da Redação 7 jul 2016, 16h17

O lutador americano Jon Jones concedeu entrevista nesta quinta-feira, horas depois de ter sido cortado do badalado UFC 200, do qual faria a luta principal neste sábado. Bastante abatido, o ex-campeão meio-pesado do UFC pediu desculpas aos fãs que gostariam de vê-lo no duelo contra Daniel Cormier e negou que tenha feito uso de doping.

“Quero começar me desculpando com todos os fãs que vieram torcer por mim no UFC 200. E também, obviamente, quero me desculpar com os donos do UFC, por não poder me apresentar. Eu sei o tamanho deste evento. Queria também me desculpar com Daniel Cormier. Sei que essa luta significava muito para ele. Eu realmente não sei o que dizer. Estou muito sentido com isso que aconteceu”, disse o atleta de 28 anos, em Las Vegas.

Leia também:

Jon Jones é pego no doping e está fora do UFC 200

Jones perde o cinturão e é suspenso após ser preso nos EUA

Jon Jones admite vício em maconha e relembra acidente com grávida: ‘Me apavorei e fugi’

Jones foi flagrado num teste fora das competições, conduzido pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA, na sigla em inglês), realizado no dia 16 de junho, já na reta final de preparação para a luta. Não foi divulgada a substância proibida que ele utilizou. Nesta sexta, Jones tentou se explicar e disse ser inocente.

“Acharam algo nos meus exames que nem sei o que é, não sei pronunciar. Tenho tomado os mesmo suplementos minha carreira toda. Sou completamente contra qualquer droga para melhorar a performance. Dói ser tachado de trapaceiro. Isso me machuca mais do que qualquer coisa”, disse, antes de deixar a sala temporariamente, emocionado.

Nesse momento, seu empresário, Malki Kawa, afirmou que uma segunda amostra será testada, mas admitiu que as chances de reverter o caso são pequenas. Jones retornou ao palco pouco depois, pediu desculpas pelo choro e chegou a dizer que utilizou “algumas coisas que não tem nada a ver com aumento de performance”, mas não entrou em detalhes. Questionado novamente sobre sua inocência, o atleta disse: “Eu jamais trapacearia, eu não sou assim”.

O ex-campeão já foi pego no doping pelo uso de cocaína e, se condenado novamente, poderá sofrer sofrer uma suspensão de dois anos. Ele garantiu, no entanto, que não pretende desistir da carreira. “Essa história não acabou. O melhor ainda está por vir. Isso não vai mudar nada na minha trajetória. Mesmo que eu fique dois anos fora, eu definitivamente vou voltar. Isso não vai acabar comigo. Como disse, eu acredito que algo bom vai sair disso. Talvez daqui dois anos eu veja que era algo que eu precisava para crescer.”

Em janeiro de 2015, Jones, então detentor do título da categoria e líder do ranking peso por peso, venceu o próprio Cormier por decisão unânime do júri e manteve o cinturão. No entanto, o americano foi pego no doping pelo uso de cocaína e ainda foi suspenso por seis meses por causa de um acidente de trânsito do qual fugiu sem prestar socorro às vítimas (uma delas estava grávida). Pela sequência de confusões, Jones teve seu título cassado pelo UFC, chegou a ser preso e até hoje prestar serviõs comunitários.

Megaevento – Vendido como o maior evento da organização em todos os tempos, o UFC 200 terá a participação de quatro brasileiros. Amanda Nunes brigará pelo cinturão peso-galo feminino contra a campeã Miesha Tate, e José Aldo enfrentará Frankie Edgar pelo cinturão interino dos penas. Raphael Assunção e Thiago Marreta também estão escalados no card preliminar.

Além do megaevento de sábado, o UFC preparou outras duas noites de luta em Las Vegas para celebrar sua 200ª edição. Nesta quinta-feira, o brasileiro Rafael dos Anjos, campeão dos leves, fará a luta principal do “UFC: Dos Anjos x Álvares”, diante do americano Eddie Álvarez. Caso o lutador de Niterói seja derrotado, o Brasil ficará sem nenhum cinturão do UFC pela primeira vez desde 2006.

Continua após a publicidade

UFC 200 – 9 de julho de 2016, em Las Vegas, Estados Unidos

Card Principal:

Peso-pesado: Brock Lesnar x Mark Hunt

Peso-galo: Miesha Tate x Amanda Nunes

Peso-pena: José Aldo x Frankie Edgar

Peso-pesado: Cain Velásquez x Travis Browne

Card Preliminar:

Peso-galo: Cat Zingano x Julianna Peña

Peso-meio-médio: Johny Hendricks x Kelvin Gastelum

Peso-galo: TJ Dillashaw x Raphael Assunção

Peso-leve: Sage Northcutt x Enrique Marin

Peso-leve: Diego Sanchez x Joe Lauzon

Peso-médio: Gegard Mousasi x Thiago Marreta

(da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade