Clique e assine a partir de 8,90/mês

UFC 165: Gustafsson, enfim um rival à altura de Jon Jones

O sueco de 1,95 metro desafiará o líder do ranking peso-por-peso do UFC no sábado, no Canadá. Campeão nunca encarou um atleta tão alto no octógono

Por Da Redação - 16 set 2013, 08h48

“Penso no cinturão todos os dias. Quero ser o melhor. Para isso, sei que tenho que vencer o campeão”, diz o sueco

O melhor lutador de MMA da atualidade – pelo menos segundo o ranking peso-por-peso do UFC, que rebaixou Anderson Silva – volta ao octógono no sábado à noite, em Toronto, como principal nome do UFC 165. O americano Jon Jones, campeão da categoria meio-pesado, enfrenta o sueco Alexander Gustafsson em sua sexta defesa de cinturão. Jones, que ainda não convenceu alguns fãs de MMA, tentará calar os críticos que dizem que ele jamais teve um adversário à altura – literalmente, já que tem 1,93 metro e sempre enfrentou atletas mais baixos. Cumprindo um desejo do próprio campeão, o UFC escalou um desafiante ainda mais alto que o americano. E Gustafsson, de 1,95 metro, vai tentar aproveitar a oportunidade de acabar com a hegemonia de Jones, que não perde no UFC desde dezembro de 2009 e já é visto como um dos maiores lutadores da história do esporte. O card do evento tem três brasileiros. Na segunda luta principal, o campeão interino do peso-galo, Renan Barão, enfrenta o americano Eddie Wineland. Michel Prazeres luta contra o canadense Jesse Ronson pela categoria peso-leve. E Renée Forte enfrenta o canadense John Makdessi, nos leves O evento terá transmissão do canal pay per view Combate, a partir das 19h15 (horário de Brasília).

Leia também:

UFC: Anderson Silva afirma que não derrotaria Jon Jones

UFC: à procura de desafios, Jon Jones quer rivais maiores

UFC: Jon Jones é eleito o melhor lutador de 2012

Jon Jones planeja sua carreira (longe de Anderson Silva)

Depois de vencer com facilidade o americano Chael Sonnen no UFC 159, ficou ainda mais evidente a superioridade de Jon Jones na categoria até 93 quilos. Sem um oponente à altura – tanto no tamanho como na capacidade técnica -, Jones admitiu até subir de categoria para procurar por novos desafios. A opção ainda não foi descartada, mas para Dana White, a luta contra o sueco Alexander Gustafsson pode encerrar qualquer dúvida sobre o campeão. “Ele e Gustafsson têm quase a mesma coisa em tudo: alcance, altura, idade. Se o Jones ganhar, ninguém mais poderá reclamar”, afirmou o chefão da franquia em entrevista coletiva realizada por telefone, na semana passada. O americano rejeitou a comparação e alegou que apenas a idade – ambos têm 26 anos – é algo em comum entre eles. “Temos estilos completamente diferentes. Acho que uso a distância do meu alcance bem melhor do que ele. Gustafsson toma muitos golpes. Eu não. Eu passei algumas lutas sem que os oponentes me batessem uma só vez.” Jones também fugiu de qualquer comparação com Anderson Silva, de 38 anos, alegando que o brasileiro está há muito mais tempo na modalidade. “Tenho apenas 26 anos e nenhuma lesão. Vivemos uma fase muito diferente. Ainda estou com tudo.” Um dos maiores sonhos de Dana White é ver os dois se enfrentando numa superluta.

Continua após a publicidade

Leia também:

Anderson em turnê mundial: a fama sobreviveu ao nocaute

Lutador deficiente consegue décima vitória no MMA

Chris Weidman: ‘Anderson merece diploma em psicologia’

UFC: executiva do torneio festeja bom momento no Brasil

O sueco Alexander Gustafsson tem um cartel de quinze vitórias e apenas uma derrota. Sem perder há seis lutas, o desafiante de Jones já finalizou seus oponentes no primeiro round em oito oportunidades. Ele busca se inspirar num lutador que fez história em junho deste ano: Chris Weidman. O americano conseguiu vencer o brasileiro Anderson Silva e conquistou o título dos meios-médios. Em entrevista à revista americana Fighters Only, o sueco reconheceu que se espelha em Weidman e que ele provou que nenhum lutador é invencível. “Quero ser o melhor. Para isso, sei que tenho que vencer o campeão.” O lutador tem como uma de suas características a agressividade. Ele também sabe usar sua envergadura – assim como Jones – para tentar controlar os adversários no octógono. Gustafsson afirmou que está preparado para a luta e que tenta deixar a importância dela de lado para poder manter o foco. “Saber que tenho muitos fãs que me apoiam no mundo todo e que querem que eu ganhe me tranquiliza. Claro que penso no cinturão todos os dias, mas tento me manter focado para continuar melhorando.” Agora, o sueco tem a chance de entrar para a história do UFC caso vença o melhor lutador da atualidade.

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade
Publicidade