Clique e assine com até 92% de desconto

UFC 158: Nick Diaz, um rebelde com causa – superar GSP

Encrenqueiro e explosivo, o lutador californiano é obcecado pelo canadense - chegou a perseguir seu arquirrival num hotel. No sábado, ele terá sua chance

Por Da Redação 14 mar 2013, 12h51
Nick Diaz, 27 vitórias e 8 derrotas no MMA: mestre em confusões
Nick Diaz, 27 vitórias e 8 derrotas no MMA: mestre em confusões VEJA

Suspenso por um ano por uso de maconha, Nick Diaz reclamou da punição – disse que só fuma para conter a ansiedade, não para melhorar o desempenho

O UFC 158 está marcado para a noite de sábado, em Montreal, no Canadá (com transmissão no Brasil apenas pelo canal pago Combate, a partir de 19h35, horário de Brasília) – mas não é impossível o evento perder seu combate principal. Tudo por causa do temperamento explosivo e imprevisível do desafiante Nick Diaz, que duela com Georges St-Pierre pelo cinturão dos meio-médios. Na tarde de quarta, por exemplo, ele era esperado para participar do treino aberto aos torcedores, um evento que o UFC promove em todas as cidades que visita. Diaz simplesmente não apareceu – e ninguém ficou surpreso. Ele já tinha faltado a vários outros eventos promocionais, inclusive para esta luta – Dana White se irritou com o atleta por ele não ter aparecido numa gravação dos vídeos publicitários do evento. A sessão foi remarcada e o vídeo foi divulgado nesta semana. Nele, o lutador explica a ausência na primeira gravação dizendo que estava com o rosto todo machucado e, como qualquer outra pessoa, não queria aparecer assim diante das câmeras. A explicação não colou – afinal, todos os fãs de lutas sabem que Nick Diaz é um lutador “à moda antiga”, cuja preocupação é apenas uma: esmagar o oponente, sem medo de se machucar se isso for necessário para conquistar a vitória. Quando se fala em St-Pierre, os instintos mais violentos de Diaz falam ainda mais alto. O lutador californiano de 29 anos tem verdadeira obsessão pelo campeão.

Leia também:

UFC 158: um ‘acerto de contas’ entre St-Pierre e Nick Diaz

Confira a entrevista exclusiva com Anderson Silva nos EUA

Conheça a academia ‘vip’ de Anderson Silva na Califórnia

Dana White se prepara para NY e já sonha com Olimpíada

Continua após a publicidade

UFC divulga seu 1º ranking oficial – com Anderson no topo

Diaz já tinha recebido uma chance de desafiar GSP, mas perdeu seu lugar depois de faltar a uma entrevista coletiva – Dana White decidiu substituí-lo por Carlos Condit, num combate que acabou não acontecendo por causa da grave lesão que afastou o canadense do octógono por um longo período. Condit e Diaz disputaram o título interino, e o encrenqueiro do UFC foi derrotado, adiando sua chance de encarar o canadense. Para completar, ele testou positivo para uso de maconha antes do combate, o que motivou uma suspensão de um ano. Ao falar sobre o episódio – com frases recheadas de palavrões, uma de suas marcas registradas -, mostrou ter ficado revoltado com a punição, já que afirma ter fumado maconha para controlar a ansiedade, e não melhorar o desempenho na luta. Mesmo afastado do octógono, ele não parou de provocar GSP, um lutador admirado por quase todos, com conduta profissional exemplar e sorriso sempre estampado no rosto. A exceção é quando Nick Diaz dispara contra ele – St-Pierre afirmou que o americano passou dos limites, que era o sujeito mais desrespeitoso que ele já conheceu e que gostaria de fazer o rival engolir as palavras. Dana White revelou nesta semana que, em certa ocasião, Diaz chegou a perseguir GSP pelos corredores de um hotel, tentando iniciar uma briga ali mesmo.

Depois de consolidar o status de campeão, derrotando Condit em seu retorno depois da lesão, GSP pediu a Dana White a chance de calar o americano. Desde então, a guerra verbal só se intensificou, culminando numa entrevista coletiva por telefone transformada num bate-boca cheio de xingamentos. Diaz deixa claro que não se incomoda em ser retratado como o vilão no duelo com o “mocinho” GSP, e avisa que fará de tudo para sair do duelo como o novo campeão. O canadense avisa que, apesar da imagem de bom moço, não tem sangue de barata – e promete aplicar uma surra histórica no adversário. Para os especialistas, aliás, a condição emocional de GSP no confronto pode ser o fator decisivo. Se o canadense perder a cabeça e errar na estratégia, corre risco de ser derrotado, mesmo sendo favorito. Nick Diaz é exímio boxeador e tem ótima técnica de chão, já que é faixa preta em jiu-jitsu – seu técnico é o brasileiro Cesar Gracie. Também é famoso pela boa resistência e preparo físico. St-Pierre, porém, é muito mais completo, versátil e preciso, com um repertório de golpes capaz de explorar todos os pontos fracos do adversário. Resta saber se isso será necessário para conter a fúria do polêmico Nick Diaz.

https://youtube.com/watch?v=wJ8a1IG1zL8%3Frel%3D0

https://youtube.com/watch?v=4ipJ9NhpwTw%3Frel%3D0

Kazushi Sakuraba x Família Gracie

A família Gracie é responsável pela criação do UFC, em 1993, e fez história, também, com suas participações no Pride. Mas um japonês ficou conhecido como o “caçador de Gracies”: Kazushi Sakuraba. Ele venceu nada menos que quatro integrantes da principal família do jiu-jitsu: Royler, Royce, Renzo e Ryan Gracie, sempre no Pride.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga Veja Esporte no Twitter

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
Continua após a publicidade
Publicidade