Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

UFC 148: de pé, ninguém vence Anderson, avisa Demian

O brasileiro que perdeu para o campeão (e ganhou de Sonnen) diz qual é a melhor estratégia para lutar contra o Spider - e fala sobre o seu 'recomeço'

Por Davi Correia, de Las Vegas 5 jul 2012, 19h03

“Contra Anderson, estava com a estratégia errada. Não deveria ter esperado uma oportunidade para entrar na luta. A distância dele é muito boa, fica te machucando com os jabs o combate inteiro. A estratégia do Sonnen foi mais eficiente”

A estrela do UFC 148, no sábado, em Las Vegas, será o brasileiro Anderson Silva, que enfrentará o americano Chael Sonnen. Mas outro representante do Brasil fará uma das principais lutas da sua carreira: Demian Maia. Depois de uma sequência de exibições monótonas, o lutador – um paulista de 34 anos formado em jornalismo – estreará na categoria meio-médio, até 77 quilos, numa das primeiras lutas do card principal. Na quarta-feira, a poucos dias do desafio contra o sul-coreano Dong Hyun Kim, Demian Maia contou como está sua preparação para o desafio. Precisando perder apenas três quilos para chegar ao peso exigido, o atleta explicou como trabalhou para corrigir os erros e aperfeiçoar suas habilidades para essa nova fase. Citado por Anderson Silva na coletiva de terça-feira, Demian Maia – que perdeu para o compatriota no UFC 112, em 2010 -, reconheceu a derrota para o campeão, mas não acredita que foi presa tão fácil como disse o rival: “Ele venceu a luta, mas não acho que foi incrivelmente superior. Não existe nenhum lutador bonzinho, muito menos o Anderson Silva”.

Na entrevista coletiva de terça, Anderson Silva disse que bateu em você por cinco rounds. O que você achou dessa declaração? Estou ouvindo isso pela primeira vez, mas não faz diferença pra mim. Ele venceu a luta, mas não acho que foi incrivelmente superior. Não existe nenhum lutador bonzinho, que abra sua guarda e que sempre parta para o nocaute, muito menos o Anderson Silva. Ele fez toda aquela graça pra tentar me desconcentrar e me forçar a ir para cima dele, e a gente já sabia que isso ia acontecer.

Você acha que Chael Sonnen ganhou uma revanche por causa das provocações? O Sonnen voltou para o UFC em 2009 e só perdeu duas lutas. Ele tem esse cartel mesmo tendo enfrentado lutadores entre os dez melhores da categoria. Se alguém falar que ele está disputando o título só por causa das declarações, é mentira. Lógico que isso ajudou muito – mas vai ajudar o Anderson também, porque vai vender mais pacotes de pay per view.

O que Sonnen pode fazer contra Anderson para não perder de novo? No meu caso, estava com a estratégia errada. Não deveria ter esperado uma oportunidade para entrar na luta. A distância dele é muito boa, fica te machucando com os jabs o combate inteiro. A estratégia do Sonnen foi mais eficiente: abafar os golpes do Anderson, mesmo arriscando ser nocauteado. O Sonnen sabe cercar muito bem no ringue e aguenta bastante porrada. Acredito que abafar o Anderson é a única chance de vencê-lo. Ele tem mais técnica em pé que qualquer lutador do UFC.

Como foi a sua preparação para estrear na nova categoria? Foi excelente. Meu manager ajudou a organizar todo o treino. O intuito era me estimular, traçar uma estratégia para os treinamentos. Não tem jeito: na luta, você faz o que treina, é automático. E meu estilo é lutar mais próximo do adversário, com as técnicas do jiu-jitsu.

E quanto à dieta para perder mais peso do que você estava acostumado? É muito difícil. Estou me sentindo bem, mas está complicado. Nesta quarta, acordei precisando perder pouco mais de três quilos. Como é minha primeira luta nessa categoria, não vou deixar pra perder muito peso no dia da luta, para isso não afetar meu desempenho.

Continua após a publicidade

Essa luta tem clima de reestreia, de recomeço no UFC? Eu sempre estive pressionado, mas agora um pouco mais, pois perdi no último desafio. É um começo, sim, e eu preciso fazer o melhor pra conseguir disputar o cinturão da categoria. Vou entrar no octógono com a mesma música que entrei na minha primeira luta de UFC, uma instrumental do filme O Último dos Moicanos. Eu costumava usá-la na caminhada até o octógono em outros torneios, mas o Dana White me ligou e disse que ela não era legal.

Acompanhe no site de VEJA, a partir desta quinta, a cobertura completa do UFC 148, com a luta entre Anderson e Sonnen, direto de Las Vegas.

Leia também:

Anderson x Sonnen não é só luta. É uma questão pessoal

No auge da popularidade, o MMA vai dando adeus a suas lendas

‘Eu apanhei de Júnior Cigano. Mas quero minha revanche’

Anderson Silva começa sua semana decisiva rumo ao UFC 148

Em vídeo, Anderson joga paintball – e Sonnen volta à escola

Continua após a publicidade
Publicidade