Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Tudo normal na Fifa: Blatter canta, faz piada infame…

Dirigente suíço admitiu que estava tenso antes do pleito, mas relaxou após o anúncio da desistência do príncipe da Jordânia Ali bin al-Hussein

Por Da Redação 29 Maio 2015, 17h39

Nem parecia que a Fifa passa pelo maior escândalo do futebol internacional ao terminar o pleito que levou Joseph Blatter ao quinto mandato. Em Zurique (Suíça), ao anunciar a Cidade do México como sede do próximo congresso da entidade, em 2016, o cartola de 79 anos cantarolou versos de México, México, canção feita pelo grupo RBD para a seleção asteca na última Copa do Mundo. Em seguida, Blatter apelou a uma piada de gosto muito duvidoso ao saudar os membros da Confederação da Oceania, que reúne 11 federações nacionais, ao chamá-los de Ocean´s Eleven (Onze Homens e Um Segredo, 2001, de Steven Soderbergh), que narra a aventura de “ladrões de elite”.

Blatter atravessou dias tensos depois da revelação do escândalo de corrupção envolvendo a Fifa, mas teve confirmada a sua reeleição, logo após a desistência de seu opositor, o príncipe da Jordânia Ali bin al-Hussein, na tarde desta sexta.

Leia também:

Blatter resiste à crise e é reeleito presidente da Fifa

Blatter se defende: ‘Culpados são indivíduos, não a Fifa’

Protestos marcam início da eleição na Fifa

Eleição da Fifa tem ameaça de bomba

“Estou de bom humor. É normal, porque estava um pouco nervoso antes deste congresso”, admitiu o presidente, no cargo desde 1998 e vai ficar mais quatro anos. No primeiro turno Blatter teve 133 votos contra 73 de Ali bin al Hussein, que desistiu da disputa em seguida.

Decepção – Al Hussein fez um discurso sério e curto ao anunciar sua desistência e agradeceu quem confiou em suas propostas. “Foi uma jornada maravilhosa. Gostaria de agradecer a todos vocês que tiveram coragem suficiente para votar em mim.”

O príncipe da Jordânia, Ali bin Al Hussein, discursa durante o 65º Congresso da Fifa em Zurique, Suíça
O príncipe da Jordânia, Ali bin Al Hussein, discursa durante o 65º Congresso da Fifa em Zurique, Suíça VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade