Clique e assine a partir de 9,90/mês

Tribunal da Conmebol adia julgamento do Corinthians

Decisão sobre perda dos mandos de campo ficou para a quinta-feira

Por Da Redação - 6 mar 2013, 22h01

O Tribunal de Disciplina da Conmebol adiou para quinta-feira, às 15 horas, o julgamento do recurso do Corinthians para tentar reverter a punição de atuar sem torcida na Copa Libertadores. Um dos integrantes do tribunal, não identificado, pediu mais tempo para analisar a apelação corintiana. Participaram do julgamento Adrián Leiza (Uruguai), Orlando Morales (Colômbia) e Carlos Tapia (Chile). Havia grande expectativa entre os dirigentes corintianos de que o julgamento fosse realizado nesta quarta-feira. Tanto a delegação, que está no México para a partida contra o Tijuana, como os diretores jurídicos no Brasil estavam atentos aos comunicados da Conmebol.

Leia também:

Jogos e preces: a vida dos corintianos presos na Bolívia

San José quer amistoso para ajudar a família de Kevin

Continua após a publicidade

“Nossa maior preocupação é que o recurso seja julgado antes da partida contra o Tijuana, na quarta-feira que vem”, diz o advogado Luiz Felipe Santoro. No México, o gerente de futebol Edu Gaspar revelou que está ansioso com o resultado do recurso, mas se esforça para manter a concentração no jogo. “Não recebemos nada, mas temos de manter a concentração na partida”, disse Gaspar, no trajeto para o Estádio Caliente. O departamento jurídico está otimista quanto ao fim da punição e avalia que o fato de o Corinthians ter atuado com portões fechados, na quarta-feira passada, contra o Millonarios já foi uma punição severa. “Nossa fundamentação jurídica é consistente”, garante Santoro.

O Corinthians foi punido por causa da morte do torcedor boliviano Kevin Espada, no jogo contra o San José, em Oruro, na Bolívia, estreia da equipe na Libertadores. O garoto de 14 anos morreu depois de ter sido atingido na face por um sinalizador disparado pela torcida do Corinthians. Doze torcedores ainda estão presos na Bolívia, acusados de envolvimento no crime, e um menor de idade se apresentou à Justiça brasileira, na semana passada, para assumir a culpa pelo lançamento do sinalizador.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade