Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Torcida mexicana surpreende e ofusca o público cearense

Seleção levou um susto: em um de seus redutos mais fiéis e barulhentos, os visitantes roubaram a cena e fizeram a sua equipe não temer o dono da festa

Com o trunfo da torcida caseira enfraquecido, a seleção passa a esperar por torcidas visitantes mais modestas e discretas nas próximas partidas

A seleção brasileira confiava na torcida cearense para ganhar um combustível adicional durante o duelo com o México, na terça-feira, no Castelão, em Fortaleza. O público da cidade, um dos lugares onde a equipe nacional recebe tratamento mais caloroso, atendeu ao pedido do capitão Thiago Silva e transformou a execução do Hino Nacional num momento ainda mais emocionante – assim como já fazem todos os atletas da seleção, grandes grupos de torcedores cantaram abraçados. O barulho no estádio impressionou os mexicanos, mas não intimidou a torcida visitante: iniciado o jogo, o duelo entre os fãs das duas equipes foi tão acirrado quanto o que ocorria em campo. E algo que pouca gente imaginava acabou acontecendo em plena Copa do Mundo no Brasil: logo no segundo jogo, a seleção da casa não tinha todo o apoio do público, já que muitos setores do estádio eram dominados por mexicanos.

Leia também:

Na batalha de Fortaleza, mexicanos frustram o Brasil: 0 a 0

Felipão ficou ‘satisfeito’ – irritação, apenas com a imprensa ​​

Guillermo Ochoa, o milagreiro dos mexicanos, parou Neymar

Invasão mexicana abafa barulho dos torcedores cearenses

Castelão-2014 mostra o que todos os estádios deveriam ser

Ruidosa, apaixonada e abusada, a torcida visitante foi abafada pelos brasileiros em muitos momentos, como era de se prever – os brasileiros estavam em maior número, afinal. Ainda assim, os mexicanos incomodaram, e muito. O grito com um palavrão em coro depois de cada cobrança de tiro de meta pelo goleiro do time adversário, uma verdadeira instituição do futebol mexicano, foi repetido a cada batida de Júlio César. Mas os brasileiros logo aproveitaram para começar a imitar os rivais, xingando de forma ainda mais barulhenta nos chutes de Ochoa. A concentração dos mexicanos em setores específicos do estádio foi um ponto a favor para os visitantes: sentados próximos uns dos outros, eles ficaram ainda mais ousados nos cânticos e provocações. Os cearenses não desapontaram os atletas da seleção, apoiando bastante durante quase toda a partida. Quem deu show, no entanto, foi o lado mexicano.

Com o trunfo da torcida caseira enfraquecido, a seleção passa a esperar por torcidas visitantes mais modestas e discretas nas próximas partidas. Em seu próximo desafio, o Brasil pega Camarões, que trouxe apenas um pequeno contingente de seguidores ao país. Na rota até a decisão, no Maracanã – se a seleção se recuperar e garantir a vaga às oitavas em primeiro do grupo, é claro -, há possíveis adversários com muita torcida nesta Copa: Chile e Holanda, que lideram o grupo que cruza com o do Brasil na etapa seguinte, trouxeram bastante gente ao Brasil. Em seguida pode aparecer a Colômbia, por exemplo – outra equipe que veio reforçada por uma legião considerável de torcedores. A Argentina também jogou quase em casa no Rio de Janeiro. Os jogadores brasileiros, entretanto, seguem apostando em seu próprio torcedor – que, vale lembrar, estará sempre com maioria garantida nos estádios, ainda que possa levar novos sustos como o de terça-feira, quando se deparou com um exército de fanáticos que roubou a cena em pleno Castelão.