Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Torcedores e até cartola do Boca são presos antes de jogo

Polícia investiga envolvidos na fuga de chefe de torcida acusado de homicídio

A ligação das torcidas organizadas da Argentina com crimes brutais provocou mais um fato inusitado nesta semana. Depois da prisão do e um jogador do San Lorenzo, um dirigente do Boca Juniors e trinta torcedores do clube foram detidos na noite de quinta-feira, nas imediações do estádio La Bombonera, antes da partida contra o Newell’s Old Boys, pela Copa Libertadores. As prisões estão ligadas à investigação do paradeiro de Maxi Mazzaro, um dos chefes de torcida organizada do Boca, acusado de assassinato. O crime ocorreu em 2011.

Leia também:

Cristina usa o Boca para distrair população contra denúncias

Cristina Kirchner, a capitã do apagão do futebol argentino

Argentina punirá violência em estádios com portões fechados

Brutalidade no futebol da Argentina é um alerta para o Brasil

Há algumas semanas, Pablo Migliore, então jogador do San Lorenzo, também havia sido detido sob acusação de acobertar a fuga do suspeito. Ele ficou 40 dias atrás das grades. Curiosamente, também na quinta-feira, Migliore anunciou que vai jogar muito longe de Buenos Aires – ele foi contratado pelo Dínamo de Zagreb, da Croácia, e vai inclusive disputar a Liga dos Campeões. O dirigente detido perto do estádio do Boca é Marcelo London, secretário do clube mais popular da Argentina. De acordo com a imprensa local, o juiz que investiga o caso pretende pedir a prisão de outros dirigentes, torcedores e até jogadores.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agência EFE)