Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Torcedora afirma que xingou Aranha ‘no embalo’ da torcida

<p>Flagrada gritando ‘macaco’, Patrícia Moreira prestou depoimento nesta quinta</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 19h33 - Publicado em 4 set 2014, 12h31

A torcedora gremista Patrícia Moreira prestou depoimento na delegacia de Porto Alegre na manhã desta quinta-feira e admitiu ter chamado o goleiro Aranha, do Santos, de “macaco” na partida da última semana, na Arena do Grêmio. Em seu depoimento, que durou menos de uma hora, a jovem de 23 anos negou que seja racista e disse ter agido “por impulso”. “Patrícia admitiu que estava no local e que disse aquelas palavras, mas negou que fosse racista. Ela disse ter ido no embalo da torcida. Na torcida do Grêmio, há cânticos que falam ‘macaco’. Todos estavam falando e ela falou também”, afirmou o delegado Cleber Ferreira, em entrevista coletiva depois do depoimento.

Leia também:

Ofensas racistas da torcida causam eliminação do Grêmio

Fifa apoia exclusão do Grêmio da Copa do Brasil

Grêmio promete recorrer depois da eliminação por racismo​

Continua após a publicidade

Grêmio pune a organizada que insiste em cantar ‘macaco’

Continua após a publicidade

Torcedora flagrada xingando Aranha é intimada pela polícia

Grêmio identifica torcedores racistas e expulsa dois sócios

Torcedora gremista flagrada xingando Aranha
Torcedora gremista flagrada xingando Aranha VEJA

Patricia Moreira chegou à delegacia chorando muito e foi escoltada por familiares e policiais do grupo de Operações Especiais que faziam vigilância do local. Na saída da delegacia, ainda encobrindo o rosto, ela presenciou um protesto de um grupo de ativistas negros contra ela. Segundo Cleber Ferreira, Patrícia pode responder por crime de injúria racial, que prevê pena de 1 a 3 anos de detenção, com a possibilidade de pagamento de fiança.

Exclusão – Na quarta, o Grêmio foi eliminado da Copa do Brasil pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), devido às ofensas racistas proferidas por Patrícia e outros torcedores do Grêmio contra Aranha. A medida foi apoiada pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, mas o clube gaúcho irá recorrer da decisão.

Depois do episódio, o Grêmio expulsou Patrícia e mais um torcedor do quadro social do clube. De acordo com o jornal Zero Hora, Patrícia também foi afastada do cargo de auxiliar de saúde bucal, que ocupava no Centro Médico Odontológico da Brigada Militar. Repreendida por internautas, ela apagou seus perfis no Facebook e no Twitter horas depois da partida contra o Santos.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade