Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Hugo Calderano alcança classificação histórica no tênis de mesa

Atleta carioca é o primeiro brasileiro da modalidade a chegar às quartas de final de uma Olimpíada

Por Da Redação Atualizado em 27 jul 2021, 13h06 - Publicado em 27 jul 2021, 13h04

Hugo Calderano classificou o tênis de mesa do Brasil pela primeira vez às quartas de final de uma Olimpíada. O atleta carioca de 25 anos avançou nos Jogos de Tóquio ao vencer por 4 sets a 3 o sul-coreano Jang Woojin, na manhã desta nesta terça-feira, 27, com parciais de 11/7, 9/11, 6/11, 11/9, 4/11, 11/5 e 11/6.

“Fiquei boa parte do jogo atrás, então tive de manter a calma e a concentração e continuar acreditando que eu poderia virar, confiando no meu jogo, na minha parte mental, na minha técnica”, contou Calderano ao COB. Ele se disse orgulhoso em superar sua própria marca na Rio-2016 e também da maior referência da modalidade no país, Hugo Hoyama, que parou nas oitavas em Atlanta-1996. 

“Senti isso quando todo mundo do Brasil veio me abraçar, senti a emoção de todos, eu até estou ficando emocionado. O último ano não foi fácil, não tive os melhores resultados, mas continuei muito confiante que eu conseguiria voltar a jogar o meu melhor nível. Agora vou descansar, tentar comemorar um pouco, não tem tanto tempo.”

Calderano voltará a competir na quarta-feira, 28, às 9h (horário de Brasília), valendo uma vaga na semifinal. O adversário será o alemão Dimitrij Ovtcharov. Antes de bater o sul-coreano, o brasileiro venceu o jogo de estreia, na madrugada de hoje (27), contra o esloveno Bojan Totik, por 4 sets a 1 (parciais de 13/11, 11/7, 7/11, 11/9 e 12/10).

  • Já o paulista Gustavo Tsuboi, de 36 anos, foi eliminado nas oitavas de final pelo taiwanês Lin Yun Ju, que o venceu por 4 sets a 2. Após perder os três primeiros sets (parciais de 5/11, 7/11, 2/11), Tsuboi reagiu e ganhou duas parciais em seguida (um duplo 11/9), mas no último set acabou sendo superado por 11-13. Esta foi a quarta participação do brasileiro em Olimpíadas.

    (com Agência Brasil)

    Continua após a publicidade
    Publicidade