Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Tony Kanaan correrá com a mão fraturada no Anhembi

Hélio Castroneves, líder do campeonato, prevê prova muito movimentada no circuito de rua; o australiano Will Power venceu as três edições anteriores em São Paulo

Por Da Redação 2 Maio 2013, 19h22

O brasileiro Tony Kanaan, da equipe KV, admitiu nesta quinta-feira que não sabe suas reais condições físicas para a etapa de São Paulo da Fórmula Indy, neste domingo, no circuito de rua montado no Anhembi, na zona norte de São Paulo. Ele ainda se recupera de uma lesão na mão direita, sofrida durante um acidente nas voltas finais da prova de Long Beach, dia 21 de abril, e admite que vai para o sacrifício em busca da marca de 200 corridas consecutivas pela categoria. “Vou saber como estou mesmo no sábado, às 8h30 da manhã (horário do início do primeiro treino livre). Vou tentar correr. Tenho certeza que vai doer. No sábado vou saber o quanto e se eu suportarei. Foi um acidente banal, mas me custou bastante. O médico falou em oito meses, foram três lesões diferentes. É preciso repouso, mas isso é o que eu menos tenho.”

Leia também:

Leia também: Organizadores da Indy em SP prometem pista lisinha

Líder da temporada, Hélio Castroneves acredita que pode lutar para vencer e acabar com a supremacia do australiano Will Power, seu companheiro na equipe Penske, que venceu as três provas disputadas em São Paulo. “Espero resultado melhor que nos últimos anos. Os pneus mudaram um pouco e isso pode ajudar, estamos mais adaptados. É uma pista que todo mundo gosta e será uma corrida disputada”, disse o piloto que somou 99 pontos nas primeiras três corridas do ano.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Bia Figueiredo, que tem contrato com a equipe Dale Coyne para correr apenas a corrida de São Paulo e as 500 Milhas de Indianapolis, principal prova da Indy, dia 26 de maio, garante que não se sente pressionada. “Está tudo em aberto, e mesmo que vença em Indianápolis não estarei garantida. A equipe precisa se estruturar financeiramente. Tem um trabalho sendo feito, mas é cedo para dizer algo. Vou focar no resultado, mas é preciso expandir patrocinadores para fazer mais provas.”

(Com Estadão Conteúdo e Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade