Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Toni Kroos atropelou o Brasil. E depois disse sentir ‘pena’

A Alemanha trouxe uma geração de ouro ao Brasil, mas o atleta que melhor representa �a notável campanha da equipe nesta Copa do Mundo – coroada, nesta terça-feira, com a goleada histórica que a garantiu na final – é o meia Toni Kroos, de 24 anos. Foi ele o artífice do bombardeio alemão no primeiro tempo, cobrando com perfeição o escanteio em que Thomas Muller abriu o placar, logo aos 10 minutos, e marcando outros dois gols, aos 23 e 24 minutos, com frieza e precisão. Forte e dinâmico na marcação, o atleta do Bayern de Munique (na mira do Real Madrid para a próxima temporada europeia) passa a ser um armador de incrível qualidade técnica cada vez que a seleção alemã retoma a bola. Kroos deu 69 passes certos na partida. Errou apenas cinco. O destaque da semifinal recuperou nove bolas para sua equipe e cometeu apenas uma falta no jogo. “Foi a melhor performance da seleção desde que cheguei à equipe”, disse o meia, que foi convocado pela primeira vez em 2010. Kroos afirmou ter notado um Brasil “um pouco hesitante” desde o início do jogo. “Então, nós aproveitamos”, resumiu o craque. O alemão lamentou o sofrimento da seleção da casa. “Senti um pouco de pena pela situação toda. Só que eles têm grandes jogadores. O fato é que não conseguiram mostrar seu melhor desempenho. Havia muita pressão sobre seus ombros. Conseguimos marcar forte e o resultado foi esse. Mas estou certo de que eles voltarão com uma boa equipe.” Toni Kroos só mostrou certo incômodo ao ser questionado sobre o favoritismo que a Alemanha inevitavelmente levará para a final, seja contra a Argentina ou contra a Holanda. “Já disse várias vezes que viemos ao Brasil para sermos campeões, e ninguém é campeão vencendo uma semifinal. Ainda falta o último jogo, e ele será dificílimo. Se não vencermos a partida de domingo, de nada terá adiantado o resultado que conseguimos aqui. Mas estou certo de que faremos um excelente jogo.” Pelo que a Alemanha mostrou no Mineirão, é impossível esperar qualquer outra coisa da equipe de Toni Kroos.

(Giancarlo Lepiani, de Belo Horizonte)

Leia também:

No maior pesadelo do futebol do Brasil, Alemanha faz 7 a 1

‘Eles foram muito fortes, devemos reconhecer’, diz Júlio César

Felipão lamenta a ‘pane’, pede desculpas e assume a culpa

David Luiz pede desculpas: ‘Só queria ver meu povo sorrindo’

​Com 16 gols, Klose toma a coroa de Ronaldo em Mundiais