Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tite recomenda ao Boca partir para cima do Corinthians

Por Fábio Hecico

Buenos Aires – O Corinthians tem como um dos seus portos seguros na Libertadores a sua atuação diante da sua torcida no Pacaembu, onde conquistou cinco vitórias e um empate até aqui. Com o Boca Juniors não é diferente. Depois de estrear perdendo para o Fluminense, foram cinco vitórias seguidas na Bombonera. E os dois finalistas sofreram, em seis jogos, só um gol em suas respectivas casas.

Sabendo do perfil das duas equipes, Tite recomendaria ao Boca Juniors partir para cima do Corinthians no jogo desta quarta-feira, em Buenos Aires, na primeira partida da decisão da Libertadores. “Nesses momentos, o que eu vejo, é não modificar o que o que se fez até agora. Não deixar de fazer, ou melhor, fazer o que fez até agora. Eu agrediria o Corinthians”, disse o treinador, nesta terça-feira, quando perguntado que conselhos daria para o técnico do Boca, Julio Cesar Falcioni.

Tite sabe da força do Boca Juniors na sua casa – e fora dela -, tanto que o discurso de respeito ao time argentino esteve presente em toda a entrevista coletiva do treinador nesta terça. Ele, porém, reforça que o Corinthians é um time que não deve nada aos argentinos.

“Boca sempre é Boca, com sua tradição, força, estilo e grandeza da Bombonera, com todo respeito. Mas o Corinthians também chegou com merecimento e chegaram à final as duas equipes mais fortes. Esse time está quase há dois anos junto, aprendendo no erro e chegando forte”, destacou o treinador, que está no Corinthians desde o segundo semestre de 2010.

Ao falar da fama de retranqueiro que tem o seu time, Tite lembrou que a equipe também marca gols. São 19 até aqui na Libertadores, contra três sofridos em 12 jogos. O Boca marcou um gol a menos, mas sofreu quatro a mais.

“Quem é o melhor saldo? Isso mostra uma equipe equilibrada. Não importa os poucos gols que ela faz, importa o equilibro com saldo de gols. O setor defensivo também participação. Para construir um gol precisa de 20 pernas e duas mãos”, explicou Tite.

Com relação à Bombonera, forte arma do Boca na decisão, Tite pregou cautela, mas comparou o local à Vila Belmiro, de onde o Corinthians voltou com uma vitória na semifinal. “O estádio tem uma mística especial, ecoa, fica próximo do torcedor, mas a essência é ficar focado no jogo, no passe, no domínio. Lá no Pacaembu é assim também, na Vila Belmiro assim”, destacou o técnico corintiano.