Clique e assine a partir de 9,90/mês

Tite pede contratação de um pivô e reposição de atletas à diretoria

Por Da Redação - 9 jul 2012, 23h13

Apesar do título da Copa Libertadores, o técnico Tite mostra preocupação com o Corinthians. Em entrevista ao canal televisivo ‘SporTV’, o treinador fez um apelo à diretoria e pediu reposição para as saídas e, mais especificamente, a contratação de um pivô.

‘Precisa qualificar, sempre digo que o atleta respeita qualificação. Não traga quantidade, deixa a gente aproveitar a base. Traga qualidade, reponha o Willian, reponha o Castán, o Adriano. Hoje nós não temos um pivô e às vezes é importante, não posso ir para um jogo decisivo sem ter um pivô’, pediu.

O treinador também teme uma possível saída de Alex. ‘Não pode perder. É muito difícil organizar uma equipe taticamente e ver ela se entrosar. Nós conseguimos isso e, se nós retirarmos esses jogadores, a equipe vai cair, vai retroceder ao invés de crescer, principalmente perdendo no setor de criatividade’, analisou.

Comentando sobre a base, o comandante corintiano exaltou o defensor Marquinhos, comentando sua versatilidade para poder atuar como zagueiro, lateral e volante. Além disso, fez uma revelação: no começo do ano, vinha preparando o atleta para marcar Neymar.

Continua após a publicidade

‘Por não ser um jogador alto e ser móvel dá para utilizar como lateral em linha de quatro. Confesso até que estava o preparando para marcar o Neymar por sua velocidade e antecipação’, afirmou o técnico, que abandonou a ideia na Copa Libertadores pela presença de Jorge Henrique, que cortava espaços pelo lado direito.

Tite preferiu não criar metas para o Campeonato Brasileiro, preferindo aguardar para ver a reação da equipe após a escalação do time reserva nas rodadas iniciais para priorizar a Copa Libertadores.

‘Vai depender muito da retomada, a velocidade com que a gente vai retomar os resultados e o padrão da equipe, isso é fundamental’, declarou o treinador, que exaltou o nível da competição: ‘A Libertadores tem um cunho emocional, mas ela não é mais forte tecnicamente que o Campeonato Brasileiro.’

Publicidade