Clique e assine com 88% de desconto

Tite diz ter recusado proposta para ficar no Corinthians até Mundial

Por Da Redação - 17 jul 2012, 18h00

Não só os jogadores do Corinthians têm recebido propostas para deixar o clube. Também os assistentes de Tite e o próprio treinador foram procurados. Mas se negaram a sair. Nesta terça-feira, o comandante garantiu que fica na equipe ao menos até o término do contrato, no fim do ano, para a disputa do Mundial.

‘Chegou perto, mas meu empresário barra. Ele avisa: ‘nem vai falar com ele porque o conheço’. Só não recebe proposta diretor não remunerado. Mais do que o documento assinado, dou minha palavra. A única vez na minha carreira (em que rompi o contrato) foi para vir para o próprio Corinthians. Foi uma exceção à regra’, disse.

A exceção se deu em outubro de 2010. Tite dirigia o Al-Wahda, dos Emirados Árabes, e foi procurado por Andrés Sanchez, então presidente do Corinthians. Não titubeou: pediu alguns dias para comunicar aos dirigentes que queria retornar ao futebol brasileiro. Curiosamente, nem a vaga garantida no Mundial (um dos motivos que o seguram atualmente) o impediu.

Em um novo patamar por ter sido campeão brasileiro e da Copa Libertadores, o treinador passou a ser alvo de diversos clubes, segundo seu empresário. ‘Ele hoje é um dos técnicos mais importantes do Brasil, e a disputa do Mundial é muito importante para nossa história’, disse Gilmar Veloz, sem revelar quais teriam sido os times interessados.

Publicidade

Além de Tite, outros dois membros da comissão técnica corintiana foram assediados. Fábio Carille e Geraldo Delamore tiveram propostas para comandar equipes da Série B do Campeonato Brasileiro e preferiram permanecer auxiliando o treinador. Enquanto isso, alguns atletas tomaram outros rumos.

O zagueiro Leandro Castán e o meia Alex, para citar apenas os titulares, já se despediram, a contragosto de Tite, que pensava na manutenção do grupo principal. ‘Aí entra aspecto financeiro, a situação é boa para o jogador e para a família. Não depende só de mim, do presidente e dos diretores. Nós queríamos que ficassem, mas não deu’, lamentou.

Publicidade