Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Time da NBA protesta contra fala racista de presidente

<p>Clippers entraram de meias pretas na derrota para o Golden State Warriors</p>

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2022, 20h17 - Publicado em 28 abr 2014, 09h28

Jogadores e comissão técnica da equipe de basquete do Los Angeles Clippers não se conformaram com o vazamento de diálogos racistas de seu presidente Donald Sterling e protestaram na noite de domingo, na partida contra o Golden State Warriors. Os atletas, que haviam cogitado nem entrar em quadra, decidiram usar meias pretas e camisas de aquecimento do avesso em forma de repúdio às palavras de Sterling. Os Clippers, no entanto, foram derrotados por 118 a 97 na primeira rodada dos playoffs da Conferência Oeste da NBA. O presidente não compareceu à partida, na casa do adversário.

Leia também:

Alvo de racismo na Espanha, Daniel Alves come banana jogada por torcedor​

‘Somos todos macacos’, diz Neymar

Arouca é chamado de ‘macaco’ depois de vitória do Santos

Racismo contra Tinga rende multa de 27 890 reais a time peruano

Continua após a publicidade

O escândalo teve início no sábado, quando o site americano TMZ divulgou o áudio de uma conversa entre Sterling e sua ex-namorada, V. Stiviano. Na gravação, o dirigente a recriminava por ter tirado uma foto com o ex-astro da NBA Magic Johnson. “Me incomoda (sic) muito você querer aparecer ao lado de pessoas negras. Por que você faz isso? Você pode dormir (com negros), pode fazer o que quiser. A única coisa que peço a você é que não divulgue isso. E não os traga aos meus jogos”, disse ele. Ainda de acordo com o TMZ, a gravação tem mais de uma hora de duração e foi feita por V. Stiviano com o consentimento de Sterling, na época em que ainda estavam juntos. Os advogados de Stiviano negaram ao site que ela tenha vazado o áudio para a imprensa.

Continua após a publicidade

Indignação – O técnico do Clippers, Doc Rivers, que também é negro, admitiu que os jogadores cogitar boicotar o jogo de domingo. “A melhor resposta que podemos dar como homens, não como homens negros, mas como homens, é ficarmos juntos e mostrar quão forte somos como grupo. Não escapar. Não desistir. É fácil protestar. O protesto estará em nosso jogo”. O ato racista foi lamentado e repudiado por diversas personalidades da NBA, além do presidente americano, Barack Obama. ‘Quando um ignorante fala para demonstrar a sua ignorância, não podemos fazer nada, só deixá-lo falar. Tenho confiança na diretoria da NBA. Adam Silver é um bom homem e resolverá isso’, declarou o presidente dos EUA. Alvo indireto do racismo, Magic Johnson demonstrou sua insatisfação com o ato. ‘Eu sinto muito pelo meu amigo Doc Rivers e por Chris Paul (técnico e jogador dos Clippers, respectivamente). Eles têm que trabalhar para um homem que fala dessde jeito sobre afro americanos. Nunca irei a nenhuma partida dos Clippers enquanto Donald Sterling seguir como dono’.

LA Clippers owner Donald Sterling’s comments about African Americans are a black eye for the NBA.

– Earvin Magic Johnson (@MagicJohnson) April 26, 2014

I feel sorry for my friends Coach Doc Rivers and Chris Paul that they have to work for a man that feels that way about African Americans.

– Earvin Magic Johnson (@MagicJohnson) April 26, 2014

Astro do Miami Heat, LeBron James foi mais incisivo ao comentar as declarações de Sterling. Ele pediu que o comissário da NBA, Adam Silver, tomasse medidas “agressivas” para punir o dirigente e ressaltou: “Não há lugar para Donald Sterling em nossa liga”. Já o jogador do Clippers DeAndre Jordan postou uma imagem de protesto em sua conta no Instagram: um quadro negro.

https://youtube.com/watch?v=Wsk2kYUGMXo%3Frel%3D0

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade