Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Testemunha relata briga e desmonta a versão de Pistorius

Atleta afirmou que a noite foi tranquila, mas vizinho revelou que o casal discutiu

O fato de o casal ter brigado faz a acusação de assassinato premeditado ganhar força. Os gritos de mulher ouvidos entre os primeiros tiros e os últimos disparos também reforçam a tese da acusação

Durou apenas um dia a defesa apresentada por Oscar Pistorius na investigação da morte de sua namorada, Reeva Steenkamp. Na terça, seu advogado apresentou uma versão detalhada do trágico episódio de acordo com o relato do atleta, sustentando que o astro paralímpico sul-africano cometeu um terrível equívoco ao atirar contra a modelo. Pistorius acompanhou a leitura de seu depoimento às lágrimas – ele se disse “profundamente apaixonado” por Reeva. De acordo com sua versão, de morte acidental, o casal passou uma noite tranquila (foram para a cama por volta das 22 horas) e a tragédia só aconteceu porque Pistorius não tinha percebido que Reeva havia ido ao banheiro – ele atirou quatro vezes contra a porta depois de ouvir um barulho e achar que um ladrão havia invadido a residência. Nesta quarta-feira, porém, o relato perdeu credibilidade diante da apresentação de um testemunho fundamental. Um vizinho afirmou, em depoimento juramentado, que Pistorius e a namorada discutiram violentamente entre 2 horas e 3 horas – pouco antes do momento do crime. Ele contou ainda que, depois dos primeiros tiros, ouviu uma mulher gritar duas ou três vezes. Novos disparos aconteceram em seguida.

Leia também:

África do Sul agora conhece o outro Pistorius: o vilão

Acusado de homicídio premeditado, Oscar Pistorius chora

Pistorius segue preso enquanto namorada estreia na TV

O testemunho foi lido pelo promotor Gerrie Nel no segundo dia da audiência preliminar do caso, em que Pistorius esperava conseguir direito a fiança para aguardar o julgamento em liberdade. Para complicar ainda mais a situação do corredor, ele também foi indiciado por posse ilegal de munições, informou a polícia sul-africana. “Encontramos uma caixa de cartuchos calibre 38 especial”, disse o detetive Hilton Botha. O policial explicou que Pistorius não tinha permissão para este tipo de munição. O grande revés para o atleta nesta quarta, porém, foi mesmo o relato do vizinho, já que Pistorius garantia não ter brigado com Reeva e ter achado que a namorada estava dormindo no momento dos tiros. O fato de o casal ter brigado faz a acusação de assassinato premeditado ganhar força. Os gritos de mulher ouvidos entre os primeiros tiros e os últimos disparos também reforçam a tese da acusação. Na terça, o promotor Gerrie Nel acusou formalmente o atleta de “disparar e matar” de forma premeditada “uma mulher inocente e desarmada”. Segundo a promotoria, Pistorius sabia que estava atirando na namorada, que estava agachada atrás da porta do banheiro da casa de luxo do corredor.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

(Com agência France-Presse)