Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Teixeira mudou regras para blindar Marin e eleger Del Nero

Dias antes de renunciar, o ex-presidente da CBF mudou estatuto para dificultar candidatura de oposição, diz jornal. Até agora, seu plano está sendo cumprido

Com as mudanças, ficou mais difícil destituir o presidente da CBF. A eleição vai acontecer antes da Copa, para evitar que fiasco prejudique candidatura da situação. E Del Nero, que não poderia acumular cargos, ganhou sinal verde para ter função dupla

Antes de renunciar, Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, mudou o estatuto da entidade para deixar tudo preparado para que José Maria Marin o substituísse – e depois abrisse o caminho para Marco Polo Del Nero, que hoje é vice-presidente, ocupar o cargo. De acordo com reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo, Teixeira mexeu nas regras pensando justamente em evitar que um candidato de oposição chegasse ao poder na CBF. Também costurou uma mudança que dificulta uma troca na presidência – parecia já prever que Marin sofreria forte rejeição e teria problemas para se manter no cargo. Por fim, preparou o terreno para que Del Nero, seu aliado, tivesse um caminho tranquilo rumo à sucessão. O cartola já tinha decidido deixar a presidência – por causa de várias acusações de corrupção – quando convocou a última assembleia geral de seu mandato, sem avisar às federações estaduais sobre o que pretendia fazer. Só o presidente da federação paulista, Del Nero, e o vice-presidente da CBF no Sudeste, Marin, sabiam do teor do encontro.

Leia também:

Ricardo Teixeira renuncia e deixa CBF depois de 23 anos

Acervo Digital VEJA: poder e polêmicas do ex-dono da bola

saída de Teixeira, em março do ano passado

Leia também:

Com mais um prazo ignorado, Fifa, assustada, vai à capital

Brasília: um monumento bilionário ao desperdício na Copa

A jogada mais ousada de Ronaldo, o dono da bola no país

Copa dá arenas a quem não precisa e ignora quem as quer

Prepare o bolso: os elefantes brancos estão à solta no país

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Pelo estatuto anterior, o dirigente não poderia acumular a presidência da Federação Paulista de Futebol com a vice da CBF. Por isso, alterou-se mais um artigo do estatuto. O texto passou a estabelecer que o acúmulo de funções poderia se dar por até 180 dias. Basta uma licença em um dos cargos por um ou dois dias, a cada seis meses, e Marco Polo Del Nero pode continuar com um assento nos dois gabinetes mais poderosos do futebol brasileiro. A ata da assembleia que parece ter definido os rumos da CBF para os próximos anos foi assinada pelo presidente da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), Rubens Lopes. A assembleia teve dois delegados, também dirigentes de federações: Mauro Carmélio, do Ceará, e André Pitta, de Goiás. As mudanças reveladas pela reportagem do Estadão somam onze páginas e levam a rubrica de representantes das 27 federações estaduais que têm direito a voto na CBF. A possibilidade de Del Nero ser o candidato à sucessão de Marin é dada como quase certa desde que o presidente da CBF assumiu o cargo, há pouco mais de um ano. Em reunião realizada com as federações nesta semana, Marin avisou que, de fato, não será candidato no próximo pleito. Até agora, portanto, o roteiro segue à risca o que Teixeira planejou antes de embarcar para Miami.

(Com Estadão Conteúdo)