Clique e assine com até 92% de desconto

Tecnologia da linha do gol já funciona nas arenas do Brasil

Fifa realiza testes finais no sistema. Câmeras já estão instaladas nos estádios

Por Da Redação 7 jun 2013, 15h12

A pressão para que a novidade fosse adotada pela Fifa cresceu depois de dois lances emblemáticos nas duas últimas grandes competições entre seleções no mundo

A Fifa anunciou nesta sexta-feira que os equipamentos envolvidos no sistema de tecnologia da linha do gol, que vai ajudar a reduzir os erros de arbitragem em lances duvidosos, já estão instalados nos seis estádios que vão receber jogos da Copa das Confederações, a partir do próximo dia 15. De acordo com a entidade, o sistema já está sendo configurado e testado como parte do processo oficial de certificação. Em abril, a Fifa havia anunciado que o sistema GoalControl-4D, da companhia GoalControl, levou a melhor na disputa com outros três fornecedores licenciados pela entidade. Agora, os testes nos estádios da Copa das Confederações estão sendo realizados por um instituto independente suíço.

Leia também:

Fifa confirma uso de tecnologia na linha do gol no Mundial

Uso da tecnologia no gol é uma ‘revolução’, garante a Fifa

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Nos últimos dias, os técnicos contratados pela Fifa já equiparam os estádios com todo o aparato necessário para avisar à arbitragem se a bola entrou. Em junho do ano passado, ao fazer o anúncio do uso da tecnologia, o secretário geral da Fifa Jérôme Valcke disse que a entidade se encarregaria dos custos e que os equipamentos continuariam nos estádios, como parte do legado da competição no país. De acordo com ele, cada sistema instalado custaria até 250.000 dólares. A pressão para que a novidade fosse adotada pela Fifa cresceu depois de dois lances emblemáticos nas duas últimas grandes competições entre seleções no mundo. O primeiro aconteceu na Copa do Mundo de 2010, na partida entre Alemanha e Inglaterra. O segundo ocorreu na Eurocopa do ano passado, no jogo entre Inglaterra e Ucrânia.

(Com Estadão Conteúdo e agência Gazeta Press)

Continua após a publicidade
Publicidade