Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Talento (e marra) em Milão: o lugar certo para Gabigol

Reforço da Inter de Milão, revelação santista tem predicados para repetir Ronaldo e Adriano e brilhar na capital da moda

Gabriel Barbosa, o Gabigol, ainda nem pisou no gramado de San Siro, mas já é uma sensação em Milão. Contratado pela Inter por 27 milhões de euros (cerca de 97 milhões de reais) – a quarta transação mais cara do futebol brasileiro, atrás de Neymar, Gabriel Jesus e Lucas Moura –, o jogador que completou 20 anos nesta terça-feira disse “gostar de desafios” ao se transferir para o clube italiano. Gabigol quer entrar no grupo de brasileiros idolatrados na Itália – lista que inclui craques como Mazzola, Julinho Botelho, Zico, Falcão, Cerezo, Careca, Cafu, Kaká, Júlio César, Dida, entre tantos outros. As melhores referências, por características de jogo e personalidade, porém, vêm da própria Inter de Milão: Ronaldo e Adriano – “Fenômeno” e “Imperador”, respectivamente.

O apelido “Gabigol” – que tentou deixar no passado – já faz sucesso entre os italianos. Nos últimos dias, a imprensa local passou a vasculhar a vida do atacante nascido em São Bernardo do Campo que chamou a atenção do Santos com apenas oito anos. Descoberto em jogos de futsal por Zito, histórico jogador do Santos e da seleção brasileira que trabalhava como olheiro do clube do litoral, Gabigol passou dez anos na Vila Belmiro. Marcou mais de 600 gols nas categorias de base e, apesar de não ter repetido o sucesso dos antecessores, lidou bem com a pressão de ser o “novo Neymar”, “Robinho” ou “Ganso”. Vestiu a camisa 10 de Pelé, marcou 57 gols em 156 jogos como profissional, e conquistou dois títulos paulistas – além do recente ouro olímpico com a seleção brasileira.

Leia também:
Seleção em Quito: estreia de Tite terá altitude e rival em crise
Pogba, Nego do Borel, bandidão: os bastidores do ouro olímpico
Parreira minimiza ouro: ‘Brasil é só Neymar’

Agora, Gabigol terá de lidar com a responsabilidade de suceder Ronaldo e Adriano como artilheiro brasileiro da Inter de Milão. Canhoto, habilidoso e com bom senso de finalização, tem características mais semelhantes às do Imperador. Sua personalidade se assemelha mais à do Fenômeno – ou a de Romário. Acostumado a ser uma estrela em Santos desde a adolescência, Gabriel Barbosa é vaidoso e marrento. Já se envolveu em confusões dentro e fora de campo e gosta de chamar a atenção pelo visual – com os cortes de cabelo, o uniforme apertado e o calção levantado.

Gabigol é ousado e controverso na medida certa e demonstrou maturidade ao assinar contrato com a Inter, na semana passada. Depois da conquista do ouro olímpico, o jogador descoloriu a barba. Mas, ao viajar à capital da moda, raspou a barba e se apresentou com visual mais sóbrio – ainda que de boné. Foi recebido por dezenas de torcedores nerazzurri e recebeu elogios do técnico holandês Frank de Boer – que cansou de correr atrás de atacantes brasileiros quando era zagueiro, na década de 90. “Gabriel pode jogar em qualquer posição do ataque”, disse.

A Inter de Milão recebeu um grande aporte financeiro dos novos donos chineses, mas não vive bom momento. Iniciou mal o campeonato italiano (um ponto em dois jogos) e não se classificou à Liga dos Campeões (jogará a Liga Europa). Além disso, Gabigol enfrentará forte concorrência e entrará no final de uma fila que possui os argentinos Mauro Icardi (capitão do time e ídolo da torcida) e Rodrigo Palacio; o brasileiro naturalizado italiano Eder; o francês Jonathan Biabiany; e o croata Ivan Perisic. Por outro lado, certamente a convivência com os outros brasileiros do elenco – Miranda (seu colega de seleção) e Felipe Melo – vai ajudá-lo. Além, claro, da boa vontade dos italianos com brasileiros.

Gabriel não é um jogador pronto, mas ainda pode se desenvolver fisicamente e, sobretudo, tecnicamente, no exigente futebol italiano durante seus cinco anos de contrato. Provavelmente jamais alcançará o nível técnico de Ronaldo ou Zico, mas tem talento e potencial para se destacar na Europa. Sua história em Milão terá início após as partidas da seleção brasileira contra Equador e Colômbia, pelas Eliminatórias, no início de setembro.

Gabriel Barbosa é recepcionado por torcedores após assinar com a Inter de Milão Sem barba, Gabriel Barbosa é recepcionado por torcedores antes de assinar contrato com a Inter de Milão

Sem barba, Gabriel Barbosa é recepcionado por torcedores antes de assinar contrato com a Inter de Milão (@Inter/Twitter)