Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Surfe: Gabriel Medina, blindado e focado na decisão

Charles Saldanha, padrasto e técnico do surfista de 20 anos, diz que Gabriel está focado e preparado para 'jogar os 90 minutos mais a prorrogação'

Por Da Redação 19 dez 2014, 12h49

“Sabemos que um campeonato pode terminar em três dias ou em 12. Por isso estamos preparados”

A demora para definir o Pipe Masters, com os seguidos adiamentos por falta de boas condições do mar no Havaí, provoca ansiedade nos surfistas, mas quem disputa o Circuito Mundial sabe que essas situações ocorrem normalmente. O retorno das baterias da terceira fase deve ocorrer nesta sexta-feira às 7h30 (15h30 horário de Brasília) e o brasileiro Gabriel Medina está preparado. “Sabemos que um campeonato pode terminar em três dias ou em 12. Por isso estamos preparados. É como no futebol, tem de estar preparado para jogar os 90 minutos mais a prorrogação. Infelizmente, sem jogar estamos indo para a prorrogação, por causa da natureza, porque não teve onda”, disse Charles Saldanha, padrasto e técnico de Medina.

Leia também:

Com ou sem ondas, Mundial de surfe deve ser encerrado nesta sexta

Fator psicológico pode ser decisivo para Gabriel Medina

Bateria de Medina bate recorde de audiência no surfe

Perfil: Gabriel Medina, um Guga sobre as ondas

Medina vence na estreia em Pipeline e fica mais perto do título

Continua após a publicidade

O que Medina precisa para ser campeão no Havaí:

* Se o brasileiro perder na segunda (25º) ou na terceira fase (13º) em Pipeline, precisa torcer para Slater não vencer a etapa, e Fanning não chegar às semifinais. Neste caso, se Fanning cair nas quartas, eles empatarão em pontos e farão uma bateria homem a homem para decidir o título.

* Se perder na quinta fase (9º), Medina tem que torcer para Mick não chegar à final e para Slater não vencer a etapa.

* Se perder nas quartas (5º) ou nas semis (3º), tem que torcer para Mick não vencer a etapa. Neste caso, Kelly Slater não poderia alcançá-lo.

*Se chegar à final, conquista o título, independentemente de qualquer outro resultado dos concorrentes.

Todos os dias, Medina, líder do ranking mundial, treina na praia por pelo menos uma hora. No restante do tempo, fica na casa de sua patrocinadora, onde está hospedado, e de vez em quando sai para jantar com a família. “Estamos calmos, o Gabriel está do mesmo jeito, blindado em casa, e confiante. O esforço que ele está fazendo é momentâneo, e a glória será para sempre”, disse Charles Saldanha.

Nesta sexta, Medina estará na sexta bateria a entrar na água, contra o havaiano Dusty Payne. Três baterias depois será a vez de Mick Fanning entrar no mar, diante do francês e campeão do Pipe Masters em 2010, Jeremy Flores, e a terceira fase será fechada por Kelly Slater, que vai enfrentar o brasileiro Alejo Muniz. Para Charles, o duelo de Medina será grande.

“Será uma bateria difícil. O Dusty Payne conhece bem o local e está em boa fase. Eventualmente é melhor enfrentar um adversário difícil, porque é preciso entrar na água 100% focado para ganhar. Neste ano, quando o Gabriel teve baterias complicadas apresentou seu melhor surfe. Ele está confiante, mas sabemos das dificuldades.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade